Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Administração à Avaliação da Capes: Proposições Institucionais a partir da Análise de Redes de Co-Autorias

Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de
Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Administração à
Avaliação da Capes: Proposições Institucionais a partir da Análise
de Redes de Co-Autorias
Relationship Dynamics and Probable Strategic Answers of Brazilian Post Graduate
Programs in Administration to the Capes Evaluation: Institutional Propositions starting
from the Analysis of Co-Authorship Networks.
Cristiane Marques de Mello *
Doutoranda em Administração pela Universidade Positivo.
João Marcelo Crubellate
Doutor em Administração pela Fundação Getúlio Vargas.
Professor da Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, Brasil.
Luciano Rossoni
Doutor em Administração pela Universidade Federal do Paraná.
Professor da Universidade Positivo, Curitiba/PR, Brasil.
* Endereço: Cristiane Marques de Mello
Universidade Positivo, Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300, Campo Comprido, Curitiba/PR, 81280-
330. Email: mellcris@gmail.com
Copyright © 2010 RAC. Todos os direitos, inclusive de tradução, são reservados. É permitido
citar parte de artigos sem autorização prévia desde que seja identificada a fonte.
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 435
RESUMO
O presente trabalho tem como objetivo descrever e analisar as mudanças ocorridas na configuração estrutural das
redes de co-autorias entre professores vinculados a Programas Brasileiros de Pós-Graduação (stricto sensu) em
Administração e formular proposições, com base na teoria institucional, a respeito das prováveis respostas
estratégicas de tais programas à avaliação da Capes. Adotou-se um recorte longitudinal que abrange um período
de seis anos, subdivididos em dois triênios: 2001-2003 e 2004-2006. A população pesquisada compreendeu 32
programas de pós-graduação, que foram avaliados pela Capes em 2001, assim como seus 703 pesquisadores
identificados. Os dados foram coletados tendo como base o curriculum Lattes dos professores atuantes naqueles
programas e foram analisados por meio de rotinas disponibilizadas pelos softwares Ucinet 6.0 e Pajek 1.10. Os
resultados apontam aumento na cooperação de co-autoria de um triênio para outro, o que parece indicar aumento
da aquiescência dos programas em relação às exigências do órgão de avaliação. As interações tanto podem
rejeitar como reforçar pressões institucionais coercitivas e normativas advindas da Capes, quanto à definição das
normas que orientam a avaliação trienal dos programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil.
Palavras-chave: respostas estratégicas; teoria institucional; redes de co-autorias; pós-graduação; avaliação da
Capes.
ABSTRACT
The aim of this study is to describe and analyze the changes that have taken place in the structural configuration
of the co-authorship networks among professors linked to national programs of post graduate (stricto sensu) in
Administration and to formulate propositions, based on the institutional theory, regarding the probable strategic
answers of such programs to the CAPES evaluation. A longitudinal cutting was adopted encompassing a six-year
period, subdivided into two triennials: 2001-2003 and 2004-2006. The researched population includes 32 postgraduate
programs that were evaluated by the Capes in 2001, as well as their 703 identified researchers. The data
were collected based on the Lattes curriculum of professors who were active in those programs and were
analyzed through routines made available by the the Ucinet 6.0 and Pajek 1.10 softwares. The results show an
increase in co-operation through co-authorship from one triennial to the other, which would appear to indicate
increased consent of the programs in relation to the requirements of the evaluating agency. These interactions
may both reject or heighten coercive and normative institutional pressures on the part of the CAPES concerning
the definition of the norms that serve as guidelines for the three-yearly evaluation of stricto sensu post-graduate
programs in Brazil.
Key-words: strategic answers; institutional theory; co-authorship networks; post graduation; Capes evaluation.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 436
INTRODUÇÃO
Entre as organizações formais, as universidades são consideradas como uma das mais relevantes
para o estudo da influência da dimensão social na ação (Bidwell, 2006; Blau, 1970), diante de sua
forte dependência do ambiente institucional (Meyer & Rowan, 1977). Universidades necessitam
especialmente de aprovação pública para legitimar as mudanças em sua estrutura (Alperstedt,
Martignago, & Fiates, 2006). Diante de tal fato, mais do que eficientes, elas precisam ser vistas como
socialmente necessárias para sobreviverem.
Não é por acaso que tais organizações, sejam públicas sejam privadas, se deparam com influências
que vão além de sua esfera operacional. Por serem as instituições mais relevantes para o
desenvolvimento intelectual formal dentro da sociedade contemporânea, universidades são controladas
por governos nacionais, ou por suas autarquias, que lhes impõem formas de conduta acerca de sua
função na sociedade. Diante dessas pressões e do aumento da complexidade da função acadêmica na
modernidade, as universidades tendem a diferenciar e especializar suas atividades. Entre essas, uma
das mais fundamentais é a atividade de pesquisa, formalizada nessas organizações por meio dos
programas de pós-graduação.
Como função legítima e socialmente reconhecida, a atividade de pesquisa e ensino, desenvolvida
pelos programas de pós-graduação, a exemplo de outras atividades ligadas à formação acadêmica,
recebem forte condicionamento legal e burocrático, havendo em alguns países corpo especializado
para exercer tal função. Esse é o caso da pós-graduação no Brasil, cuja atividade de avaliação dos
programas fica a cargo de um órgão especializado do Ministério da Educação: a Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [Capes].
No Brasil, a Capes investe no desenvolvimento da pós-graduação stricto sensu e na qualificação de
pessoal no país e também no exterior. A Capes avalia trienalmente cursos de mestrado e doutorado em
todos os Estados da Federação e financia a produção e a cooperação científica. Além disso, também é
responsável pela concessão de mais de quarenta por cento das bolsas de pós-graduação concedidas a
estudantes brasileiros (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico [CNPq],
2009; GeoCapes, 2009). A Avaliação da Capes inclui dois processos: (1) a avaliação dos programas de
pós-graduação integrantes do Sistema Nacional de Pós-Graduação [SNPG]; e (2) a avaliação das
propostas de novos cursos de mestrado e doutorado. O Sistema de Avaliação da Pós-graduação foi
implantado pela Capes em 1976 e tem sido de fundamental importância para o desenvolvimento e
aperfeiçoamento da pós-graduação e da pesquisa científica e tecnológica no país (Nicolato, 2005).
Os programas brasileiros de pós-graduação podem responder de diferentes formas ao sistema de
avaliação da Capes. Diante de tal possibilidade, propõe-se, no presente estudo, descrever e analisar as
respostas de programas brasileiros de mestrado e doutorado em Administração, que já existiam em
2001 ou em anos anteriores, utilizando como referencial a tipologia de Oliver (1991). Essas respostas
são denominadas, aqui, de respostas estratégicas, que podem ir desde a concordância até a rejeição dos
critérios adotados pela Capes para avaliação dos programas. No entanto, diferentemente de outros
estudos que avaliaram empiricamente tais respostas (por exemplo, Machado-da-Silva, 2003),
apontaremos como elas são condicionadas pelos seus relacionamentos. As respostas de uma
organização ao ambiente institucional, de acordo com Oliver (1991), influenciarão não somente o
desempenho organizacional, como também poderão influenciar os critérios, as medidas, ou os padrões
usados por constituintes institucionais para avaliar o desempenho das organizações.
O presente trabalho tem como objetivo descrever e analisar a dinâmica de relacionamento
(mudanças ocorridas na configuração estrutural) das redes de co-autorias entre professores vinculados
a Programas de Pós-Graduação (stricto sensu) em Administração no Brasil e elaborar proposições,
com base na teoria institucional, a respeito das prováveis respostas estratégicas de tais programas à
avaliação da Capes nos triênios de 2001-2003 e 2004-2006, a partir da análise de redes. A elaboração
das proposições está baseada na tipologia de Oliver (1991), bem como nas especificidades derivadas
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 437
da análise de redes e no suporte teórico da teoria institucional em organizações. Tais proposições têm,
certamente, o caráter precário, natural a qualquer esforço de conhecimento a priori da realidade
empírica; elas cumprem, entretanto, o papel de orientação de investigações posteriores que, detendo-se
sobre a mesma problemática, tenham como objetivo ir além da simples descrição das respostas
estratégicas, que se interpretam à luz de alguma teoria ou, especificamente, das teorias que aqui nos
dão suporte.
Este estudo pressupõe que a configuração da rede de co-autorias, formada entre os professores
vinculados aos programas pesquisados, pode oferecer indicativos das respostas à avaliação da Capes
oferecidas por tais programas no período mencionado anteriormente. Considera-se ainda que atores
que pertencem ao mesmo campo estão propensos a aceitar e a aderir às mesmas crenças e compartilhar
de significados comuns, o que pode condicionar suas ações (Scott, 2001), e sugerir que programas que
interagem entre si, por meio de co-autorias entre os professores, tendem a responder de modo
semelhante. Esta pesquisa pretende sugerir, a partir da análise de redes, a formulação de proposições
institucionais das possíveis respostas estratégicas empreendidas pelos programas de pós-graduação.
Por meio da análise de redes é possível a compreensão de aspectos estruturais e dinâmicas de
relacionamento entre atores sociais, elementos considerados de fundamental importância para a
compreensão dos processos de imersão social e de práticas institucionais. Entender as relações sociais
dos atores, no caso considerado, os professores e os programas, pode contribuir para a compreensão da
parte do que ocorre na produção científica em administração e na pós-graduação em administração no
Brasil, bem como das relações que se estabelecem entre essas organizações e seu ambiente.
Embora haja no Brasil o desenvolvimento de estudos sobre co-autorias (vide, por exemplo, trabalhos
de Rossoni, 2006; Rossoni & Guarido Filho, 2007; Rossoni, Hocayen-da-Silva, & Ferreira Júnior,
2008) e publicações sobre respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em
administração à avaliação da Capes (vide, por exemplo, Machado-da-Silva, 2003), este estudo tem seu
foco na possível relação entre esses dois elementos (redes de co-autorias e respostas estratégicas).
O artigo está estruturado em cinco partes, sendo a primeira a introdução. Na sequência será
apresentado o quadro teórico que fundamenta a presente pesquisa. A terceira parte é composta pelos
procedimentos metodológicos que oferecem sustentação aos dados empíricos. A quarta parte é
composta pela apresentação e análise dos resultados relativos às redes e às proposições institucionais
e, por fim, as conclusões do estudo.
QUADRO TEÓRICO DE REFERÊNCIA: RESPOSTAS ESTRATÉGICAS E IMERSÃO EM REDES SOCIAIS
No ambiente universitário brasileiro, as pressões institucionais do governo são consideradas pelos
seus dirigentes como decisivas; teorias que não consideram os órgãos governamentais, nem a
comunidade como forças ambientais relevantes, possuem pouco poder explicativo (Alperstedt et al.,
2006) da relação entre organização e forças ambientais. Tais forças devem ser consideradas
especialmente no momento da formulação e implementação das estratégias organizacionais.
A visão institucionalista de estratégia leva em consideração elementos ambientais, culturais,
cognitivos e sistêmicos para compreender o processo da formação da estratégia (Crubellate, Grave, &
Mendes, 2004). Essa perspectiva pressupõe o desenho organizacional como processo provindo de
pressões externas e internas que, ao longo do tempo, levam as organizações a se tornarem
semelhantes. Assim, as escolhas estratégicas seriam determinadas em um contexto institucional no
qual uma organização está imersa (Rossetto & Rossetto, 2005). Para a compreensão das ações
organizacionais, Crubellate (2007) defende que a análise institucional e os estudos de estratégia nas
organizações necessitam ser analisados nas suas interações, e não de modo dicotômico.
A estrutura institucional pode acomodar uma variedade de respostas estratégicas ao ambiente
institucional. Este pressuposto fornece base apropriada de comparação, revelando suposições da teoria
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 438
institucional, identificando um repertório de estratégias alternativas disponíveis às organizações que
confrontam demandas e expectativas institucionais e determinam os fatores que predizem quando as
organizações resistirão ou se conformarão às pressões institucionais (Oliver, 1991). As escolhas
estratégias são feitas mediante as interpretações que os atores dirigentes fazem das pressões provindas
dos ambientes (Cochia & Machado-da-Silva, 2004). Entretanto, as estratégias consideradas formais ou
declaradas pelas organizações podem ser vistas apenas como instrumento para evitar a avaliação das
ações concretas, por parte de órgãos externos (Crubellate et al., 2004). A imposição de claros padrões
de desempenho, acoplada à presença de sanções, produz real conformidade, como muitos estudos
qualitativos sobre as consequências de sistemas de responsabilidade estatais estão demonstrando
(Rowan, 2006, por exemplo).
Oliver (1991) enfatiza que diversos tipos de comportamentos estratégicos podem ser estabelecidos
pelas organizações em resposta ao ambiente institucional. Cinco tipos de respostas estratégicas são
discutidos pela autora, quais sejam: aquiescência, acordo, evasão, desafio, e manipulação. A Tabela a
seguir sintetiza essas respostas estratégicas, as táticas que podem ser utilizadas e exemplifica cada uma
delas.
Tabela 1
Respostas Estratégicas aos Processos Institucionais
Estratégias Táticas Exemplos
Hábito Seguir normas invisíveis, dadas como certas
Imitar Imitar modelos institucionais
Aquiescência
Aceder Obedecer às regras e aceitar as normas
Equilibrar Equilibrar as expectativas de públicos múltiplos
Pacificar Aplacar e acomodar elementos institucionais
Compromisso
Barganhar Negociar com grupos de interesses institucionais
Ocultar Disfarçar a não-conformidade
Amortecer Afrouxar as ligações institucionais
Evasão
Escapar Mudar objetivos, atividades ou domínios
Rejeitar Desconsiderar normas e valores explícitos
Provocar Contestar regras e exigências
Desafio
Atacar Violar as fontes de pressão institucional
Cooptar Importar pessoas influentes
Influenciar Moldar valores e critérios
Manipulação
Controlar Dominar públicos e processos institucionais
Nota. Fonte: Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of Management Review, 16 (1), p. 152.
A aquiescência refere-se ao consentimento das organizações às pressões institucionais; incluem o
hábito, a imitação e a conformidade. Nesse caso, pressupõe-se a obediência às normas e regras
estabelecidas. O compromisso é representado por uma concordância parcial com os padrões
institucionais, desde que os interesses do grupo, ou da organização sejam preservados; é composto
pelas táticas de equilibrar, pacificar e barganhar. A evasão é definida como a tentativa organizacional
de impossibilitar a conformidade. As organizações conseguem ocultar sua não-conformidade,
protegendo-se das pressões institucionais, ou escapando das regras ou das expectativas estabelecidas.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 439
As táticas da evasão comumente utilizadas são ocultar, amortecer e escapar. O desafio é uma forma
mais ativa da resistência aos processos institucionais e utiliza as táticas de rejeição, provocação e
ataque. A manipulação é a resposta mais ativa a essas pressões; pode ser conceituada como a
tentativa propositada e oportunista de influenciar, ou controlar pressões e avaliações institucionais.
Suas táticas mais importantes são a cooptação, influência e controle.
As organizações que utilizam as mesmas estratégias usadas por outras são vistas pelos reguladores e
pela sociedade em geral como mais legitimadas do que as organizações que adotam um
comportamento fora do que é considerado natural ou habitual (Carstens & Machado-da-Silva, 2006).
A resposta para semelhantes ou diferentes escolhas estratégicas adotadas pelas organizações imersas
em rede, pode estar associada com a estrutura da rede social e dinâmica de relacionamento, formada
pelas relações sociais entre elas. Dinâmica de relacionamento são as prováveis mudanças ocorridas na
estrutura (tamanho, densidade, componentes) de relacionamentos em determinado
espaciotemporalidade (Moody, 2004).
A rede social é definida por Wasserman e Faust (1994) como conjunto de atores e as possíveis
relações entre eles. As redes sociais, de acordo com Carstens e Machado-da-Silva (2006), são
inicialmente estruturadas com a definição de papéis, atribuições e relacionamentos dos atores
pertencentes à rede, caracterizando assim o processo de estruturação e isomorfismo, embora as
relações de cooperação não eliminem os conflitos e a competição entre os participantes. A concepção
estruturalista de capital social enfatiza as vantagens individuais que derivam de características
estruturais particulares de suas redes (Rodan & Galunic, 2004). O sociólogo Burt (1998) refere-se ao
capital social como idéias e informações, que surgem e são disseminadas nas relações entre os
indivíduos. Este capital é obtido apenas por meio de tais relações, e não como propriedades do
indivíduo. O capital social é estruturado por meio das relações estabelecidas entre os atores (Burt,
1998), e não se refere às qualidades do indivíduo, mas às características da rede social na qual este
indivíduo está imerso, cujo capital é formado pelas contínuas relações de troca, acumuladas ao longo
do tempo (Burt, 1998; Rodan & Galunic, 2004).
Como entendimentos culturalmente imersos, as instituições especificam e justificam arranjos sociais
e comportamentos formal e informal (Garud, Hardy, & Maguire, 2007). Segundo Hatch (1997) os
relacionamentos construídos nas redes por meio das relações de amizade, reputação, ou pelo
compartilhamento de ideologias podem mostrar-se mais efetivos pela sua maior capacidade de gerar
cooperação e confiança. As relações mútuas em uma rede social também constituem aspecto
importante de acesso a novos recursos (Burt, 1992, 1997).
Além disso, as informações são compartilhadas e podem ser disseminadas rapidamente, além de
incentivarem novas descobertas. Essas redes também podem ser consideradas alianças estratégicas
(Burt, 1992, 1997), que produzem valor estratégico e legitimidade (Dacin, Oliver, & Roy, 2007).
Esses aspectos devem ser considerados nas relações formadas entre professores vinculados aos
programas de pós-graduação (stricto sensu) em administração por meio de co-autorias, porquanto tais
relacionamentos são influenciados, direta ou indiretamente, por pressões ambientais. Tais pressões
interferem no comportamento dos pesquisadores que fazem parte dos programas, em um nível, assim
como nas escolhas estratégicas dos programas, em outro nível, motivadas pelo ambiente no qual estão
imersos. Desse modo, consideramos que as respostas estratégicas, oferecidas pelos programas à Capes,
podem ser influenciadas pelo ambiente institucional, ainda que tais respostas não envolvam,
necessariamente, conscientização ou intencionalidade (Barley & Tolbert, 1997; Garud et al., 2007;
Machado-da-Silva, Fonseca, & Crubellate, 2005), mas considerando, é claro, que os pesquisadores
enquanto agentes de tais programas, tenham suas ações condicionadas pelos seus relacionamentos.
Considerando a abordagem de Burt (1992), na qual a rede parte do indivíduo, salientamos: o que se
supõe é que as co-autorias ocorrem por decisão dos próprios professores; mas a rede (composta pelos
professores) ocorre como consequência ou em decorrência dos relacionamentos estabelecidos entre
eles. Ou seja, o professor opta por ter ou não relação de co-autoria com outros, mas a configuração
estrutural da rede é o resultado (não planejado) das relações formadas.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 440
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
O universo da pesquisa foi composto por 32 programas brasileiros de pós-graduação em
administração stricto sensu já avaliados pela Capes em 2001 ou em anos anteriores. A presente
pesquisa possui perspectiva longitudinal e compreende um período de seis anos, tendo sido analisadas
as mudanças incididas ao longo dos triênios de 2001-2003 e 2004-2006.
As etapas que compreenderam a coleta de dados foram as seguintes: (a) inicialmente foram
coletados nos sites dos programas de pós-graduação em administração os nomes dos professores que
faziam parte de seu quadro docente; (b) em segundo lugar, em meados de 2007, foi realizada uma
busca dos currículos disponíveis na plataforma Lattes do CNPq daqueles professores; (c) de posse dos
currículos foram identificados os artigos publicados por cada um dos pesquisadores em periódicos,
congressos, publicações de livros e capítulos de livros, trabalhos completos publicados em anais de
congressos, resumos/resumos expandidos, publicados em anais de congressos. Entre esses artigos,
selecionaram-se aqueles com co-autorias, descartando-se aqueles com apenas um autor. Foi
considerada toda a produção científica (dentro do critério adotado) do período, o que totalizou 2.062
co-autorias de 2001-2003; e 3.831 co-autorias de 2004-2006 de todos os 703 professores vinculados
aos programas pesquisados.
Salientamos, como uma das limitações do estudo, possíveis mudanças ocorridas no corpo docente
(entre um triênio e outro), o que não pôde ser considerado aqui, tendo em vista que se optou pela
relação de professores de 2007 disponíveis nas páginas dos programas. Entretanto, apesar de este
aspecto ser uma das limitações da pesquisa, acreditamos que as mudanças ocorridas não tenham sido
tão significativas a ponto de invalidar a pesquisa, porquanto as listas de docentes, indicadas nos sites
do programas (do nosso ponto de vista, via de menor impacto), foram cotejadas com a informação
prestada no currículo de cada docente, o que nos pareceu e ainda parece mais atualizado do que as
informações no site da CAPES.
Com os autores identificados e suas co-autorias foi construída uma matriz de rede 2-mode, que
relaciona os autores com os respectivos artigos. Seguindo Rossoni e Hocayen-da-Silva (2008),
transformamos a matriz 2-mode em 1-mode, que reflete os relacionamentos, em termos de co-autoria,
com cada um dos pesquisadores. Com a matriz de relacionamentos entre pesquisadores disponíveis
construímos a matriz de relacionamento entre programas por meio do procedimento Block do
UCINET 6 (vide Borgatti, Everett, & Freeman, 2002; Hanneman & Riddle, 2005). Basicamente o
procedimento consiste em agrupar os relacionamentos em categorias predefinidas que, no nosso caso,
eram os programas de pós-graduação.
Após isso, todas as análises dos dados relativos às redes de co-autorias foram realizadas com a
utilização dos softwares UCINET 6 (Borgatti et al., 2002) e PAJEK 1.0 (Batagelj & Mrvar, 2005). Por
meio dessa análise, além da verificação da configuração estrutural da rede, também foram calculados
graus de intensidade da cooperação (densidade) dos programas, coeficiente de agrupamento, distância
média, centralidade de grau, e centralidade de intermediação (Hanneman & Riddle, 2005), com o
intuito de identificar os programas mais relevantes (em termos de co-autoria) na rede. A densidade é a
medida de intensidade da interação dos atores da rede com sua mensuração contribui para a
formulação de proposições sobre as informações que circulam pela rede, podendo ser desenvolvida
tanto para a rede como um todo, quanto para cada um dos programas. Já o coeficiente de agrupamento
indica como os contatos de um ator estão recursivamente ligados entre si (Watts & Strogatz, 1998).
Em outras palavras, quanto maior o número de cliques(1) que eles formam, maior o agrupamento da
rede. Formalmente, podemos definir o coeficiente de agrupamento CC como 3 x número de
cliques/número de trios conectados. Ele pode variar de 0 a 1, em que as redes totalmente agrupadas
apresentam coeficiente 1, enquanto aquelas totalmente desagrupadas apresentam coeficiente 0. A
distância média indica o número de passos necessários para uma instituição se conectar com qualquer
outra na rede. A centralidade de grau (degree centrality) está vinculada ao número de laços que um
ator (programa) possui com outros atores dentro de uma rede (Wasserman & Faust, 1994), embora
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 441
Carpenter e Westphal (2001) lembrem que a quantidade de laços na rede não tem tanta importância
quanto o contexto estratégico existente nesses laços. Já a centralidade de intermediação (betweenness
centrality) refere-se à intermediação de um ator nas relações com outros atores. Um ator intermediário
é aquele que se conecta a outros atores que diretamente não se relacionam entre si (Hanneman &
Riddle, 2005; Wasserman & Faust, 1994). Não consideramos neste estudo a centralidade de
proximidade (closeness centrality) porque, como apontam Rossoni e Guarido Filho (2009), ela
apresenta pouco poder explicativo em termos de produção acadêmica.
Adicionalmente, alguns testes estatísticos foram realizados. Como o número de programas avaliados
era pequeno e diante da não normalidade dos dados, optamos por utilizar alternativas não paramétricas
para comparar as variáveis entre si; neste caso tem-se a correlação de Spearman e, para comparar, os
períodos por meio do teste de médias de grupos pareados de Wilcoxon. Ambos os testes foram feitos
por meio do pacote estatístico SPSS 15.
Todas as medidas foram calculadas por programa (corpo docente), a partir dos dados individuais. A
descrição das etapas da análise dos dados pode ser mais bem visualizada na Tabela 2:
Tabela 2
Etapas da Análise dos Dados
Etapas Fontes de Dados Tipo/ Meio de Análise
1ª Etapa – Fase I Currículos dos professores extraídos
da base Lattes do CNPq.
Análise do número da produção científica e
filiação dos professores vinculados aos
programas pesquisados.
1ª Etapa – Fase II
Compilação dos dados extraídos dos
Currículos dos professores da base
Lattes do CNPq.
Estrutura da rede: componentes, densidade,
coeficiente de agrupamento, centralidade de
grau e centralidade de intermediação.
Análise Estatística: Correlação de Spearman
e Teste de Wilcoxon.
2ª Etapa Redes de co-autoria entre professores
dos programas.
Interpretação dos resultados para
formulação de proposições institucionais
concernentes às respostas estratégicas dos
programas à avaliação da Capes.
Cabe aqui ponderarmos que ações (respostas estratégicas), supostamente adotadas pelos programas
por meio das relações entre professores, se justificam pelo fato de que as decisões e ações são
originadas dos colegiados de cada programa, que são compostos por professores. A própria natureza
estrutural (não burocrática) do programa explica essa escolha (respostas estratégicas dos programas a
partir da relação dos professores), tendo em vista que as estratégias não são impostas pelo
coordenador, mas partem dos referidos colegiados. Além disso, há que se considerar que a maior parte
dos critérios que constam na avaliação da Capes estão diretamente relacionados aos professores, como
é caso da avaliação do corpo docente (peso 30%) e da produção intelectual (peso 35%), o que nos leva
a concluir que 65% da avaliação de um programa diz respeito diretamente à produção dos professores
vinculados a esses programas. Entretanto, lembramos ao leitor que no presente trabalho foi analisada
apenas uma parte da produção intelectual dos professores, ou seja, a análise proposta refere-se às
relações de co-autorias entre os professores dos programas pesquisados e não a toda a produção
acadêmica.
Outra ponderação que fazemos é que as regras utilizadas pelo Sistema de Avaliação da Capes estão
disponibilizadas para acesso de coordenadores e do corpo docente dos programas, uma vez que, tanto
coordenador quanto professor, são (ou serão) avaliados por tal sistema, como parte do processo
avaliativo do programa. Deve-se também levar em consideração que, com a finalidade de atingir o
padrão mínimo estabelecido pela Capes, os programas (representados pelo papel do coordenador ou
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 442
pelo colegiado) podem também decidir por criar suas próprias regras (internas ao programa), além
daquelas instituídas pelos órgãos externos.
REDE DE CO-AUTORIAS ENTRE OS PROGRAMAS E PROPOSIÇÕES INSTITUCIONAIS
A elaboração de proposições institucionais foi realizada inicialmente por Crubellate, Rossoni, Mello
e Valenzuela (2008), com programas paranaenses de mestrado e doutorado. Apesar de os autores
terem considerado o mesmo período de análise, não foi possível verificar as diferenças e/ou mudanças
ocorridas nas relações entre os programas de um período para o outro, já que a análise apresentada
contemplava o período de 2001-2006, sem considerar as particularidades de cada triênio (2001-2003 e
2004-2006).
Na tabela 3 estão descritos os dados relacionados aos programas (M – mestrado acadêmico; MP –
mestrado profissional; e D – doutorado) pesquisados no estudo que aqui reportamos.
Tabela 3
Descrição de dados referentes às co-autorias
Instituições/ Programas Quant.
docentes Quant. co-autorias Média de co-autorias por
docente
2001-2003 2004-2006 2001-2003 2004-2006
FGV (RJ) – M/ D** 64 79 134 1,234 2,094
PUC (RJ) – M/ MP/ D** 18 21 39 1,167 2,167
USP (SP) – M/ D* 63 228 429 3,619 6,81
FGV(SP) – M/ MP/ D 53 168 250 3,17 4,717
FJP (MG) – M 16 20 15 1,25 0,938
FPL (MG) – MP 10 32 24 3,2 2,4
FURB (SC) – M 15 80 204 5,333 13,6
PUC (MG) – MP 19 50 120 2,632 6,316
PUC (PR) – M 18 82 211 4,556 11,722
PUC (RS) – M 14 110 186 7,857 13,286
PUC (SP) – M 15 30 48 2 3,2
UEM/ UEL (PR) – M 16 22 49 1,467 3,267
UFBA (BA) – M/ MP/D 46 89 119 1,935 2,587
UFES (ES) – M 12 18 35 1,5 2,917
UFLA (MG) – M/ D 16 52 49 3,25 3,063
UFMG (MG) – M/ D 22 137 114 6,227 5,182
UFPB (PB) – M 9 1 0 0,111 0
UFPE (PE) – M/ D 22 43 63 1,955 2,864
UFPR (PR) – M 19 45 101 2,368 5,316
UFRGS (RS) – M/ D 43 171 258 3,977 6
Continua
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 443
Tabela 3 (continuação)
Instituições/ Programas Quant.
docentes Quant. co-autorias Média de co-autorias por
docente
2001-2003 2004-2006 2001-2003 2004-2006
UFRJ (RJ) – M/ D 28 97 122 3,464 4,357
UFRN (RN) – M 15 25 75 1,667 5
UFRRJ (RJ) – MP 18 16 45 0,889 2,5
UFSC (SC) – M 14 26 96 1,857 6,857
UNB (DF) – M 20 39 43 1,95 2,15
UNESA (RJ) – M 15 2 69 0,133 4,6
UNIFACS (BA) – M 14 22 30 1,571 2,143
UNIFOR (CE) – M 11 25 30 2,273 2,727
UNINOVE (SP) – MP 16 68 454 4,25 28,375
UNISANTOS (SP) – M 7 4 46 0,571 6,571
UNISINOS (RS) – M 15 51 68 3,4 4,533
UPM (SP) – M/ D 20 209 305 10,45 15,25
TOTAL 703 2.062 3.831 –
Nota. Fonte: dados da pesquisa
*Campus de São Paulo (SP) ** Mesmo corpo docente
Em relação aos dados da Tabela 3, podemos destacar alguns pontos. Aqueles programas com maior
número de docentes, como, por exemplo, FGV-RJ, FGV-SP, UFBA, UFRGS e USP, tendem a
apresentar maior número de co-autorias, tanto no primeiro período (Spearman’s rho = 0,659, p. <
0,001) quanto no segundo (Spearman’s rho = 0,659, p. < 0,001). No entanto não existe tendência
significativa de que quanto maior é o número de docentes no programa, maior e a cooperação
(Spearman’s rho de 0,283, p. = 0,116 para o primeiro período e Spearman’s rho de 0,060, p. = 0,743
para o segundo período). Mas, comparando o número de co-autorias com a média, verificamos que
eles apresentam correlação forte e significativa nos dois períodos (Spearman’s rho de 0,852, p. < 0,001
para o primeiro período e Spearman’s rho de 0,768, p. < 0,001 para o segundo período). Esses
resultados indicam que, independentemente do número de docentes no programa, há um aumento
médio na cooperação entre os programas que, por sua vez, está fortemente e diretamente relacionada
ao número de co-autorias de seus pesquisadores. Diante de tal fato, há evidências de que, enquanto
estratégia de aumento da qualidade e da produtividade da pesquisa científica, programas e
pesquisadores têm papel imbricado no processo.
Além dessas relações, buscamos analisar os dados de forma comparativa entre os triênios, para
poder elaborar proposições que contemplem essa possível evolução do campo. A Figura 1,
apresentada a seguir, refere-se à rede de relações formada entre programas brasileiros de mestrado e
doutorado em administração, por meio de co-autorias nas publicações, no triênio 2001-2003.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 444
Figura 1. Rede de Relações de Co-autorias entre os Programas no Período de 2001-2003
Pode-se observar que todos os programas estão interligados, formando assim apenas um
componente. Os nós estão com o mesmo tamanho porque a intenção é de apenas evidenciar tais
relações, desconsiderando o grau de importância dos programas quanto à centralidade. Os programas
localizados mais proximamente ao núcleo da rede são considerados centrais e os que se encontram
mais afastados do centro são chamados de periféricos. É possível verificar que os programas das
instituições FJP, UFES, UFPB e UNIFOR estão conectados à rede apenas por uma linha (co-autoria
com apenas uma instituição). Isso significa que sem essa conexão esses programas estariam
desconectados da rede e passariam a constituir quatro atores (programas) isolados. Note que tais
instituições estão vinculadas a programas com localização mais central na rede e, provavelmente, suas
respostas são influenciadas por esses programas.
É importante frisar que nessa análise foram utilizados dados dicotômicos para representar as relações
entre os programas e/ou professores, o que significa que foi considerado o número de laços entre eles,
porém sem considerar a frequência com que tais laços ocorreram. Isto quer dizer que, mesmo nos
casos em que alguns programas e/ou professores aparecem com baixo número de laços, a frequência
do número de laços pode ser alta, caracterizando um laço forte, ainda que seja apenas entre dois atores.
Por outro lado, existem programas com médio ou grande número de laços que podem, ocasionalmente,
apresentar baixa frequência de interações, caracterizando uma situação de laços fracos (Granovetter,
1973).
A Figura 2 mostra a rede de relações dos programas, por meio de co-autorias, no triênio de 2004-
2006. Pode-se observar que a Figura 2 é mais densa e possui maior interligação dos programas.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 445
Figura 2. Rede de Relações de Co-autorias entre os Programas no Período de 2004-2006
Nessa rede existe um componente, com 31 programas, e 1 programa isolado apenas. Dos programas
que estavam interligados à rede apenas por um vínculo (FJP, UFES, UFPB E UNIFOR), pode-se notar
que três deles cooperaram mais no segundo triênio e permaneceram conectados a programas mais
centrais e apenas um deles se isolou. O programa da UFPB está isolado por não ter sido realizada
nenhuma cooperação nas publicações dos docentes desse programa com docentes de outros
programas. Percebe-se ainda que a Figura 2 está mais interconectada que a Figura 1; isso ocorreu
porque houve crescimento na colaboração de co-autorias nas publicações científicas entre os
programas. A tabela 4 a seguir apresenta os dados relativos às estruturas de relações entre programas
nos dois triênios.
Tabela 4
Dados Descritivos das Estruturas de Relações entre Programas
Triênio Triênio
2001-2003 2004-2006
Co-autorias 2.062 3.831
Laços 860 1.450
Média de laços por autor 5,5 6,75
Número de componentes 1 1
Atores isolados 0 1
Tamanho do componente principal 32 31
Distância média 2,139 1,938
Densidade 17,74% 21,77%
Centralização 36,13% 45,59%
Coeficiente de agrupamento 0,342 0,525
Nota. Fonte: dados da pesquisa
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 446
A quantidade de laços refere-se ao número de professores com quem houve a colaboração nas
publicações, ou seja, com quem houve relações de co-autorias, sem levar em consideração o número
de vezes em que ocorreram tais relações. O aumento no número de laços revela não só aumento do
número de publicações, mas principalmente um crescimento nas colaborações, sob a forma de coautorias
entre esses autores.
No segundo período, a intensidade na interação dos programas é mais elevada, como mostra o
crescimento no percentual da densidade, o que leva a crer que a comunicação entre eles também foi
mais rápida. O aumento da densidade também pode ser observado pela queda na distância média entre
os programas, o que indica maior proximidade entre os programas, assim como pelo aumento do
coeficiente de agrupamento, que indica que os programas tenderam a se agrupar localmente em mais
intensidade no período 2004-2006 do que no período anterior. Outro fato importante é o aumento da
centralização das relações, que indica que houve certa hierarquização na cooperação. Isso ocorreu
porque aquelas instituições com maior número de laços, que também apresentam maior cooperação
com outros programas, têm maior capacidade de receber mais laços que as demais. Esse fenômeno é
conhecimento como escolha preferencial (vide Rossoni & Guarido Filho, 2009), em que instituições
mais centrais tendem a ser cada vez mais centrais, ocasionando, na maior parte dos casos, maior
hierarquização na rede.
Ainda com relação ao aumento no número de co-autorias de um período para o outro (Z de
Wilcoxon = 4,432, p < 0,000), é possível supor que o crescimento tenha ocorrido, dentre outros
motivos, pelo fato de que a obrigação de padrões de desempenho, juntamente com a existência de
sanções, resulta em real conformidade (Rowan, 2006). Ou seja, se os programas não se adequarem aos
critérios na avaliação de desempenho da Capes, poderão perder pontuação, o que pode acarretar
declínio da nota obtida pelo programa no período anterior. Diante desse argumento, é possível inferir o
que segue.
PROPOSIÇÃO 1. No segundo período de avaliação (2004-2006), as respostas dos programas de
pós-graduação em Administração no Brasil tenderam a ser mais de aquiescência e compromisso do
que no primeiro triênio (2001-2003).
Centralidades de Grau e de Intermediação da Rede de Programas
A tabela 5 apresenta o índice de centralidade de grau dos programas no período de 2001-2003, onde
se relaciona a quantidade de laços de cada programa, bem como o percentual de cada programa em
relação aos laços possíveis existentes na rede. Para exemplificar esse ponto, citamos o caso da USP,
que possui laços com outros 16 programas, que corresponde a 51,61% dos laços possíveis (31 laços,
excluindo o próprio programa). A centralidade de grau indica o número de laços que um ator possui
com outros atores (Hanneman & Riddle, 2005), quando se identificam os atores sociais (programas)
mais relevantes na rede. Nessa mesma tabela também estão relacionados os índices de centralidade de
intermediação de cada programa no período que se refere à posição ocupada por um ator em relação a
outros pares de atores na rede. Assim, quanto mais pessoas dependem dele para fazer conexões com
outras, mais poder o ator (programa) tem. Porém, se dois atores estiverem unidos por mais de um
caminho geodésico e tal ator não está em todos eles, perde um pouco de seu poder. Quando possui
mais de um canal, o ator torna-se menos dependente e mais poderoso. O poder está além de mera
posição ou na identificação de quem possui uma quantidade maior ou menor de poder, mas envolve
seu papel estratégico (Hardy & Clegg, 2001). Através da centralidade de intermediação é possível
identificar os atores que detêm um papel estratégico dentro da estrutura da rede.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 447
Tabela 5
Centralidades de Grau e de Intermediação dos Programas (2001-2003)
FREEMAN'S DEGREE CENTRALITY MEASURES FREEMAN BETWEENNESS CENTRALITY
Un-normalized centralization: 3191.562
Degree NrmDegree Share Betweenness nBetweenness
32 USP 16.000 51.613 0.091 32 USP 117.393 25.246
19 UFRGS 13.000 41.935 0.074 19 UFRGS 74.572 16.037
1 FGV-RJ 12.000 38.710 0.068 2 FGV-SP 58.189 12.514
2 FGV-SP 12.000 38.710 0.068 15 UFMG 57.041 12.267
15 UFMG 10.000 32.258 0.057 1 FGV-RJ 42.510 9.142
6 PUC-MG 8.000 25.806 0.045 17 UFPE 39.511 8.497
17 UFPE 8.000 25.806 0.045 31 UPM 30.924 6.650
7 PUC-PR 8.000 25.806 0.045 8 PUC-RJ 22.131 4.759
8 PUC-RJ 7.000 22.581 0.040 6 PUC-MG 21.321 4.585
10 PUC-SP 6.000 19.355 0.034 7 PUC-PR 17.147 3.687
31 UPM 6.000 19.355 0.034 30 UNISINOS 16.041 3.450
30 UNISINOS 6.000 19.355 0.034 12 UFBA 11.921 2.564
5 FURB 5.000 16.129 0.028 10 PUC-SP 7.772 1.671
20 UFRJ 5.000 16.129 0.028 18 UFPR 6.730 1.447
12 UFBA 5.000 16.129 0.028 14 UFLA 6.202 1.334
18 UFPR 5.000 16.129 0.028 21 UFRN 6.127 1.318
28 UNINOVE 5.000 16.129 0.028 20 UFRJ 5.238 1.126
26 UNIFACS 5.000 16.129 0.028 28 UNINOVE 5.150 1.108
DESCRIPTIVE STATISTICS DESCRIPTIVE STATISTICS
Degree NrmDegree Share Betweenness nBetweenness
1 Mean 5.500 17.742 0.031 1 Mean 17.656 3.797
2 Std Dev 3.725 12.016 0.021 2 Std Dev 26.378 5.673
3 Sum 176.000 567.742 1.000 3 Sum 565.000 121.505
4 Variance 13.875 144.381 0.000 4 Variance 695.773 32.178
5 SSQ 1412.000 14693.028 0.046 5 SSQ 32240.516 1491.063
6 MCSSQ 444.000 4620.188 0.014 6 MCSSQ 22264.734 1029.702
7 Euc Norm 37.577 121.215 0.214 7 Euc Norm 179.556 38.614
8 Minimum 1.000 3.226 0.006 8 Minimum 0.000 0.000
9 Maximum 16.000 51.613 0.091 9 Maximum 117.393 25.246
Network Centralization = 36.13% Network Centralization Index = 22.14%
Heterogeneity = 4.56% Normalized = 1.48%
Note. Fonte: dados da pesquisa.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 448
Se um ator (programa) recebe muitos laços, pode-se pressupor que ele seja mais proeminente ou que
possua elevado prestígio (Hanneman & Riddle, 2005; Moody, 2004), o que pode indicar a sua
importância e influência em relação aos outros (Hanneman & Riddle, 2005). Dessa forma, parece
plausível supor o que segue.
PROPOSIÇÃO 2. No primeiro triênio, programas que cooperaram diretamente com os que
possuíam maior centralidade (USP, FGV-SP, FGV-RJ, UFRGS) possivelmente ofereceram respostas à
avaliação da Capes semelhantes a tais programas com os quais se relacionaram.
Os atores que têm mais laços em relação aos outros tendem a ocupar posições mais vantajosas,
apresentam modos alternativos de satisfazer necessidades e são menos dependentes de outros atores.
Mais conexões significa, muitas vezes, que os indivíduos estão expostos a uma maior quantidade e
diversidade de informações. Os indivíduos mais conectados tanto podem influenciar como serem
influenciados por outros. O fato de ter maior quantidade de laços pode significar maior facilidade em
atrair e ter acesso a mais recursos. As populações mais conectadas também podem ser mais capazes de
mobilizar seus recursos e ser mais capacitadas a apresentar múltiplas e diversas perspectivas para
resolver problemas (Hanneman & Riddle, 2005). Quanto mais elevado o coeficiente de variação, mais
heterogênea a população quanto à influência e proeminência, no que se refere à quantidade de laços
que um ator possui com outro.
PROPOSIÇÃO 3. Os programas que apresentaram maior número de laços, no primeiro triênio,
possivelmente também exerceram maior grau de influência nas respostas desenvolvidas ao modelo de
avaliação estabelecido pela Capes, naquele período.
Programas centrais estão mais propensos a serem mimetizados, pois as organizações tendem a imitar
aquelas que lhes parecem mais bem-sucedidas ou que apresentam maior legitimidade (DiMaggio &
Powell, 1991). Esse comportamento também pode ser associado ao pilar cultural-cognitivo de Scott
(2001), cuja legitimidade proveniente está baseada na adoção de ações percebidas como certas (taken
for granted) e significados aceitos pelo ambiente, como condição necessária para a sobrevivência das
organizações. Então, parece cabível supor o seguinte.
PROPOSIÇÃO 4. Os programas que apresentam maior centralidade na rede (USP, UFRGS, FGVRJ,
FGV-SP, UFMG, PUC-MG, UFPE, PUC-PR, PUC-RJ, PUC-SP, UPM, UNISINOS, FURB,
UFRJ, UFBA, UFPR, UNINOVE, UNIFACS), provavelmente, foram mais mimetizados do que
aqueles com menor centralidade, no primeiro triênio, pelo fato de serem os mais centrais na rede.
Conforme menciona Moody (2004), a centralidade de grau pode explicar as razões pelas quais
alguns pesquisadores conseguem disseminar de modo mais rápido suas ideias no ambiente acadêmico.
Autores que possuem muitos cooperadores são também considerados os mais influentes (Burt, 1992;
Moody, 2004). Dessa forma, pressupõe-se o seguinte.
PROPOSIÇÃO 5. No primeiro triênio, os programas com maior número de laços, (USP; UFRGS;
FGV-RJ; FGV-SP; UFMG; PUC-MG; UFPE; PUC-PR; PUC-RJ; PUC-SP; UPM e UNISINOS)
provavelmente foram também os mais influentes nas respostas à avaliação da Capes naquele período.
A tabela a seguir refere-se à centralidade de grau e à centralidade de intermediação dos programas
pesquisados em relação ao segundo triênio. A tabela apresenta o índice de centralidade de grau dos
programas no período de 2004-2006, em que se relaciona a quantidade de laços de cada programa e o
percentual de cada programa em relação aos laços possíveis existentes na rede. Também estão
relacionados nesta tabela os índices de centralidade de intermediação de cada programa no período
supramencionado, que se refere à posição ocupada por um ator em relação a outros pares de atores na
rede, conforme explicação anterior na descrição da tabela 5.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 449
Tabela 6
Centralidades de Grau e de Intermediação dos Programas (2004-2006)
FREEMAN'S DEGREE CENTRALITY MEASURES FREEMAN BETWEENNESS CENTRALITY
Un-normalized centralization: 2941.578
Degree NrmDegree Share Betweenness nBetweenness
32 USP 20.000 64.516 0.093 32 USP 105.549 22.699
2 FGV-SP 17.000 54.839 0.079 2 FGV-SP 59.808 12.862
19 UFRGS 15.000 48.387 0.069 19 UFRGS 46.658 10.034
7 PUC-PR 11.000 35.484 0.051 15 UFMG 33.555 7.216
15 UFMG 11.000 35.484 0.051 1 FGV-RJ 32.847 7.064
1 FGV-RJ 10.000 32.258 0.046 7 PUC-PR 29.435 6.330
5 FURB 10.000 32.258 0.046 18 UFPR 14.197 3.053
6 PUC-MG 9.000 29.032 0.042 12 UFBA 14.106 3.033
12 UFBA 8.000 25.806 0.037 17 UFPE 13.061 2.809
18 UFPR 8.000 25.806 0.037 6 PUC-MG 12.950 2.785
31 UPM 8.000 25.806 0.037 5 FURB 11.950 2.570
30 UNISINOS 7.000 22.581 0.032 20 UFRJ 11.873 2.553
17 UFPE 7.000 22.581 0.032 10 PUC-SP 10.099 2.172
11 UEM/UEL 7.000 22.581 0.032 11 UEM/UEL 8.778 1.888
20 UFRJ 6.000 19.355 0.028 31 UPM 7.346 1.580
28 UNINOVE 6.000 19.355 0.028 28 UNINOVE 4.067 0.875
9 PUC-RS 6.000 19.355 0.028 14 UFLA 3.454 0.743
10 PUC-SP 6.000 19.355 0.028 21 UFRN 3.201 0.688
DESCRIPTIVE STATISTICS DESCRIPTIVE STATISTICS
Degree NrmDegree Share Betweenness nBetweenness
1 Mean 6.750 21.774 0.031 1 Mean 13.625 2.930
2 Std Dev 4.430 14.290 0.021 2 Std Dev 21.900 4.710
3 Sum 216.000 696.774 1.000 3 Sum 436.000 93.763
4 Variance 19.625 204.214 0.000 4 Variance 479.593 22.180
5 SSQ 2086.000 21706.557 0.045 5 SSQ 21287.463 984.505
6 MCSSQ 628.000 6534.859 0.013 6 MCSSQ 15346.963 709.768
7 Euc Norm 45.673 147.331 0.211 7 Euc Norm 145.902 31.377
8 Minimum 0.000 0.000 0.000 8 Minimum 0.000 0.000
9 Maximum 20.000 64.516 0.093 9 Maximum 105.549 22.699
Network Centralization = 45.59% Network Centralization Index = 20.41%
Heterogeneity = 4.47%. Normalized = 1.39%
Nota. Fonte: dados da pesquisa
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 450
Os programas que apresentaram maior índice de centralidade (da primeira à quarta posição) foram
os programas da USP; FGV-SP; UFRGS e PUC-PR, seguidos de outros programas com índices
também significativos. Na discussão das relações formadas por meio das redes, admite-se que os
atores considerados mais centrais também sejam os mais influentes, conforme já foi dito
anteriormente. Sendo assim, infere-se o seguinte.
PROPOSIÇÃO 6. Provavelmente, no segundo triênio, os programas (USP, FGV-SP, UFRGS,
PUC-PR, UFMG, FGV-RJ, FURB, PUC-MG) exerceram maior influência sobre os programas com os
quais se relacionaram, e responderam de modo semelhante, independentemente do tipo de resposta: se
é aquiescência, acordo, evasão, desafio, ou manipulação.
Os programas que não estão descritos na tabela 6 e que apresentam cinco laços são: UFRN, UNB e
UFSC; com quatro laços: UFRRJ, PUC-RJ e UFLA; com três laços: UNISANTOS, UNESA e FPL, e
com dois laços: FJP, UFES, UNIFACS e UNIFOR. Programas com baixo número de conexões
tendem a responder mais lentamente, independentemente do tipo de resposta. Já os programas com
maior quantidade de conexões e maior densidade tendem a formar redes mais robustas com maior
capacidade de responder rapidamente e efetivamente.
PROPOSIÇÃO 7. No triênio 2004-2006, possivelmente os programas da UFRN, UNB, UFSC,
UFRRJ, PUC-RJ, UFLA, UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP, UFES, UNIFACS e UNIFOR
responderam mais lentamente às exigências da Capes do que os programas da USP, FGV-SP, UFRGS,
PUC-PR, UFMG, FGV-RJ, FURB, PUC-MG UFBA, UFPR, UPM, UNISINOS, UFPE, UEM/UEL,
UFRJ, UNINOVE, PUC-RS, PUC-SP
As ligações mais curtas (com distância geodésica menor) entre os atores significam que os atores são
mais influentes ou mais centrais. Desse modo, conhecer o número de laços e a distância entre eles em
uma rede é muito importante à compreensão das restrições e oportunidades do indivíduo e contribui
para entender o comportamento da rede como um todo. Levando em consideração que maior
quantidade de ligações significa também maior influência, propõe-se o que segue:
PROPOSIÇÃO 8: Os programas da USP, FGV-SP, UFRGS, PUC-PR, UFMG, FGV-RJ, FURB,
PUC-MG UFBA, UFPR, UPM, UNISINOS, UFPE, UEM/UEL, UFRJ, UNINOVE, PUC-RS, PUCSP,
possivelmente foram mais influentes nas respostas do que os programas da UFRN, UNB, UFSC,
UFRRJ, PUC-RJ, UFLA, UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP, UFES, UNIFACS e UNIFOR no
segundo triênio.
Respostas do tipo desafio e manipulação têm ocorrência mais provável, quando o grau de
interconexão organizacional no ambiente institucional é baixo (Oliver, 1991): programas que
apresentaram menor índice de conexão estão mais propensos a oferecer as respostas acima
mencionadas. Os programas que apresentaram baixa conexão foram os da PUC-RS, UEM/UEL,
UFRRJ, UFLA (2001-2003), UNIFACS (2004-2006), UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP, UFES,
UNIFOR e UFPB (nos dois triênios). Então, pressupõe-se o seguinte:
PROPOSIÇÃO 9. Os programas vinculados à UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP, UFES, UNIFOR
e UFPB (em maior grau), UEM/UEL, UFRRJ, UFLA, UNIFACS (em menor grau), possivelmente,
apresentaram, no segundo triênio, respostas estratégicas do tipo desafio e manipulação.
Ressaltamos que não se pode afirmar que todos os programas vinculados por meio das co-autorias
aos de baixa conexão apresentaram esse mesmo tipo de respostas (desafio e manipulação), tendo em
vista que existem programas com alto grau de centralidade ligados a esses, e com maior tendência a
oferecer respostas de aquiescência e de conformidade.
A Figura 3 refere-se aos índices de densidade e coeficiente de agrupamento das redes de cooperação
dos programas. A densidade é definida como força média de todos os laços possíveis (Acedo, Barroso,
Casanueva, Galán, 2006; Hanneman & Riddle, 2005; Nooy, Mrvar, & Batagelj, 2005). A medida da
densidade contribui para a formulação de proposições sobre as informações que circulam pela rede. Já
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 451
o coeficiente de agrupamento é a medida da densidade local. O índice varia de 0 a 1; quanto mais
próximo de 1, maior agrupamento local. Essas medidas provêm insights e contribuem para a
elaboração de novas proposições.
0
0,05
0,1
0,15
0,2
0,25
0,3
UFPB
UFPE
UNB
FGV-SP
FJP
UFBA
PUC-RJ
UFRJ
UFRGS
UFRRJ
UFMG
PUC-SP
UEM/UEL
UNIFACS
FPL
UNIFOR
UNISINOS
PUC-MG
UFES
UFSC
UFPR
UPM
PUC-RS
UFRN
UNESA
UFLA
PUC-PR
UNISANTOS
FURB
UNINOVE
USP
Densidade 2001-2003 Densidade 2004-2006 Coef. Agrup. 2001-2003 (*10) Coef. Agrup. 2004-2006 (*10)
Figura 3. Densidade e Coeficiente de Agrupamento dos Programas
Em relação ao coeficiente de agrupamento, é importante frisar: aqueles programas que estão isolados
ou que não fazem parte de nenhum clique apresentam coeficiente de agrupamento 0. Clique é um
aglomerado de nós conectados entre si, relacionado com a mutualidade dos laços relacionais: medir
até que ponto as escolhas de indivíduos, imersas em subgrupo, são mútuas.
Redes densas possuem distâncias geodésicas menores, o que indica que as informações tendem a
fluir mais rapidamente. No caso das redes difusas, as distâncias são maiores e as informações nessas
redes fluem mais lentamente. As populações com alta densidade respondem diferentemente aos
desafios do ambiente do que aquelas que apresentam baixa densidade.
Maior densidade denota maiores alternativas de ação como também suas maiores limitações. O
programa da USP é o único que no primeiro período obteve maior densidade que a densidade da rede.
Já no segundo triênio foram quatro os programas que apresentaram densidade maior que a densidade
da rede, USP, UNINOVE, UNISANTOS e FURB. Isso significa o seguinte.
PROPOSIÇÃO 10. Programas com densidade interna mais alta, como os da USP, UPM, UFLA,
UNIFOR, UNINOVE, UNISINOS, FURB, UFMG, UNISANTOS, UFRN, UFRJ, PUC-MG e PUCPR,
provavelmente responderam com maior velocidade aos critérios de avaliação da Capes que os
demais programas, no primeiro triênio. No segundo triênio, provavelmente os programas da USP,
UNINOVE, UNISANTOS, FURB, PUC-PR, UFLA, UNESA, UFRN, PUC-RS, UPM, UFPR, UFSC,
UFES, PUC-MG, UNISINOS, UNIFOR, FPL, UNIFACS, UEM/UEL, PUC-SP e UFMG
responderam mais rapidamente às pressões advindas da avaliação da Capes.
É importante salientar que onde o grau de densidade é menor haverá sempre respostas não coesas,
independentemente das respostas. Consideramos respostas dos programas não coesas entre si, e
também não coesas às pressões e orientações provenientes da CAPES. Assim:
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 452
PROPOSIÇÃO 11. No primeiro triênio, os programas da UNB, UFES, PUC-SP, UFRRJ, FJP,
UFPR, UFRGS, FPL, UFSC, PUC-RS, UEM/UEL, UFBA, PUC-RJ, UFPE, FGV-SP, UNIFACS,
FGV-RJ, UNESA e UFPB, por possuírem níveis mais baixos de densidade, provavelmente ofereceram
respostas não coesas ou respostas não coerentes entre si. Já no segundo triênio, aqueles que
provavelmente ofereceram respostas não coesas foram os programas da UFRRJ, UFRGS, UFRJ, PUCRJ,
UFBA, FJP, FGV-SP, UNB, UFPE, FGV-RJ e UFPB.
Os atores centrais de uma rede densa tenderão a ser muito influentes naquela rede. No caso dos
programas, se esses atores são vinculados à Capes como membros do comitê avaliador, então é de se
esperar que os programas nesta rede aquiesçam mais em relação aos critérios estabelecidos pela
Capes. A comissão de avaliação da Capes de 2004 (que avaliou os programas no triênio 2001-2003)
foi composta por professores vinculados às seguintes instituições de ensino superior: INC (2
docentes); FGV/SP (2 docentes); FUCAPE (1 docente); PUC/SP (2 docentes); UFPR (2 docentes);
UNB (1 docente); e UPM (2 docentes). O comitê avaliador de 2007 (que avaliou o triênio 2004-2006)
foi formado por professores pertencentes a: FGV/RJ (1 docente); FGV/SP (2 docentes); FURB (1
docente); PUC/MG (1 docente); PUC/PR (1 docente); PUC/RS (1 docente); UFBA (1 docente); UFLA
(1 docente); UFMG (1 docente); UFPE (2 docentes); UFPR (1 docente); UFRGS (1 docente); UFRJ (1
docente); UFRN (1 docente); UFSC (1 docente); UNB (3 docentes); UNICENP (1 docente);
UNISINOS (1 docente); UPM (1 docente); USP (3 docentes). A relação com os nomes dos docentes
pertencentes ao comitê de avaliação da Capes de 2004 e 2007 está contida nos formulários (ficha de
avaliação) dos programas avaliados.
Dentre os programas que apresentaram maior densidade e que apresentam, em seu quadro de
professores, representantes no comitê avaliador da Capes, estão os programas da UPM com dois
docentes, referente ao primeiro triênio; da USP com três docentes, e os programas da FURB, PUC-PR,
UFLA, UFRN, PUC-RS, UPM, UFPR, UFSC, PUC-MG, UNISINOS, e UFMG com um docente
membro do comitê avaliador em cada programa referente ao segundo triênio. Desse modo, é
admissível supor o seguinte.
PROPOSIÇÃO 12. Os programas da UPM (no primeiro triênio), e da USP, FURB, PUC-PR,
UFLA, UFRN, PUC-RS, UPM, UFPR, UFSC, PUC-MG, UNISINOS, UFMG (no segundo triênio)
provavelmente aceitaram, em maior grau, as exigências provenientes da Capes, oferecendo respostas
de aquiescência e compromisso.
Apesar da baixa conexão da PUC-RS com outros programas, estamos supondo resposta de
aquiescência e compromisso, porque há, vinculado a esse programa, um professor membro do comitê
avaliador. O desvio padrão é também uma fonte de informação sobre o modo de pensar de cada ator.
Os atores com poucos ou muitos laços externos têm menor variabilidade de respostas do que aqueles
com níveis médios de laços. Isto significa que tais atores são mais previsíveis no seu comportamento
do que aqueles com números intermediários de laços. De certo modo, os atores com muitos laços (no
centro de uma rede) e atores na periferia de uma rede (poucos laços) têm modelos de comportamento
mais limitados (restritos) e previsíveis. Organizações que usam estratégias semelhantes àquelas
adotadas por outras são vistas tanto pelos reguladores como pela sociedade como sendo mais
legitimadas do que aquelas que utilizam um comportamento diferente do padrão (Carstens &
Machado-da-Silva, 2006). Os atores com poucos laços podem variar mais no seu comportamento; na
dependência de estarem conectados com estas ou aquelas entidades, terão maior tendência a responder
diferentemente do padrão predominante nos programas centrais da rede. Sendo assim, é provável o
que segue.
PROPOSIÇÃO 13. Os programas considerados periféricos (com menor número de laços e mais
afastados do centro da rede) têm menor probabilidade de serem mimetizados, porquanto as
organizações estão mais propensas a imitar aquelas que lhes parecem ter maior legitimidade
(DiMaggio & Powell, 1991).
PROPOSIÇÃO 14. Possivelmente aqueles que apresentaram poucos laços no primeiro período,
como os programas da PUC-RS, UEM/UEL, UFRRJ, UFLA, UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP,
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 453
UFES, UNIFOR, UFPB e os programas da UNISANTOS, UNESA, FPL, FJP, UFES, UNIFACS,
UNIFOR e UFPB, no segundo triênio, ofereceram respostas diferentes (respostas do tipo evasão,
desafio ou manipulação) do padrão predominante (respostas de aquiescência e compromisso) nos
programas centrais.
CONCLUSÕES
De uma perspectiva longitudinal, propôs-se nesse estudo, a partir da análise da rede de co-autorias
formada por professores dos programas de pós-graduação em administração descrever e analisar as
mudanças ocorridas na configuração estrutural dessas redes e elaborar proposições institucionais das
prováveis respostas estratégicas, fundamentadas, especialmente na tipologia de Oliver (1991) e nas
especificidades da análise de redes oferecidas à avaliação da Capes pelos programas considerados.
A configuração relacional e estrutural da rede foi obtida a partir da análise de redes, com a utilização
dos softwares UCINET 6.0 (Borgatti et al., 2002) e PAJEK 1.10 (Batagelj & Mrvar, 2005). A
metodologia utilizada constitui uma das diversas possibilidades existentes para análise. Faz-se
necessário verificar também outros fatores que exercem influência nas relações sociais entre os
programas que influenciam também e podem justificar a escolha das respostas estratégicas.
Na concepção de Scott (2001) os atores (no caso os programas brasileiros de pós-graduação stricto
sensu em administração), pertencentes ao mesmo campo, tendem a aceitar as mesmas crenças e aderir
a elas, o que condiciona suas ações. Desse modo, é plausível inferir que programas que interagem
entre si por meio de co-autorias com seus docentes e pesquisadores tendem a desenvolver padrões
cognitivos e interpretativos semelhantes e, consequentemente, a responder também de modo
semelhante.
Programas com maior índice de centralidade de grau estão mais propensos a oferecer respostas de
aquiescência aos critérios da Capes e, provavelmente, a influenciar a resposta daqueles programas que
mantêm relações diretas com eles. Programas que possuem muitos cooperadores são considerados os
mais influentes na capacidade de disseminar ideias e informações. A pesquisa constatou queda no
índice da centralidade de intermediação de um triênio para o outro, em relação a alguns programas, o
que provavelmente indica perda de poder de controle sobre as relações entre os atores (programas).
Esse fato pode ter ocorrido por causa de alguns fatores, tais como: a criação de novos relacionamentos
de co-autoria com professores pertencentes a programas não pesquisados, entrada e credenciamento de
novos programas de pós-graduação na área e, consequentemente, o estabelecimento de novas relações
com esses programas.
O acompanhamento da Capes, além de avaliar os programas e de indicar suas potencialidades e
pontos fracos, funciona também como balizador para distribuição de recursos financeiros aos alunos
de mestrado e doutorado (Machado-da-Silva, 2003). Um dos critérios mais importantes para a
avaliação do Programa é a produção acadêmica, cujas relações de co-autorias podem ser utilizadas
como indicador de produção, o que, por sua vez, constitui fator relevante para acesso direto ou indireto
aos recursos. Da perspectiva da dependência de recursos, uma organização será conduzida também por
seus próprios interesses, a fim de reduzir a incerteza, conflito e instabilidade (Oliver, 1991). Nessa
perspectiva, as organizações manipulam o ambiente em benefício próprio, exercendo papel ativo em
face das forças ambientais (Rossetto & Rossetto, 2005).
As interações podem ainda rejeitar ou reforçar pressões institucionais advindas da Capes por meio
da avaliação trienal desses programas. Assim, os resultados apresentados fornecem subsídios
necessários para concluir que existem diferentes respostas oferecidas pelos programas, na sua maioria
representadas por ações de aquiescência e compromisso. Por outro lado, é necessário chamar a atenção
para o fato de que a menção a possíveis respostas estratégicas de rejeição, em algum grau, dos padrões
e orientações avaliativas da CAPES não pode e não deve ser interpretada como negativa, em termos
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 454
absolutos. Se tais respostas de fato se efetivaram naqueles triênios analisados, elas certamente não
ultrapassaram o limite do que o Estado e o campo definem como legalmente legítimo ou nem sequer
foram intensas, a ponto de arriscar a existência daqueles programas. Não se pode desconsiderar o fato,
aceito no âmbito da própria teoria institucional e de outras teorias organizacionais, de que criatividade
e geração de ações e soluções alternativas estão relacionadas a respostas de rejeição, em algum grau,
das estruturas institucionais existentes. Essa tensão entre manutenção e mudança é, mesmo do ponto
de vista institucional, comum à maioria dos campos sociais e dá origem à dinâmica entre forças pró e
contra mudanças, além de definir os graus e os ritmos de mudança.
Como direção para pesquisas futuras, faz-se necessário, conforme sugerem Selltiz, Jahoda, Deutsch
e Cook (1975), verificar se as proposições elaboradas a partir da investigação exploratória têm
aplicabilidade geral. A provável aceitação dos padrões de desempenho exigidos poderá ser confirmada
por meio de investigações específicas, tanto quantitativa como qualitativamente. Outros estudos
poderiam ser realizados, visando, além de descrever, também interpretar as respostas estratégicas
efetivamente adotadas pelos programas, a partir das suposições aqui levantadas. As relações, aqui
estabelecidas, entre cooperação e co-autoria devem ser testadas por outros estudos, visando a
investigar os processos de mútua influência e transferência de informações, básicos para entendimento
da elaboração de respostas estratégicas. O esforço inicial desta pesquisa foi no sentido de analisar a
importância das redes estabelecidas entre os pesquisadores da Administração, no período aqui
investigado, e não reproduzir as características relacionais de redes da mesma natureza em outros
contextos acadêmico-científicos, em outras áreas científicas do país e de outros países. Espera-se que
os pressupostos aqui estabelecidos possam constituir a base inicial para novas pesquisas empíricas que
possibilitem melhor compreensão do processo da recursividade entre o ambiente institucional e as
ações organizacionais.
NOTA
1 Clique é uma sub-rede ou subgrafo completo de três ou mais nós, em que todos os pontos estão diretamente
conectados (Nooy et al., 2005; Wasserman & Faust, 1994).
REFERÊNCIAS
Acedo, F., Barroso, C., Casanueva, C., & Galán, J. (2006). Co-authorship in management and
organizational studies: an empirical and network analysis. Journal of Management Studies,
43(5), 957-983.
Alperstedt, G. D., Martignago, G., & Fiates, G. G. S. (2006). O processo de adaptação estratégica de
uma instituição de ensino superior sob a ótica da teoria institucional. Revista de Ciências da
Administração, 8(15), 1-24.
Barley, S., & Tolbert, P. (1997). Institutionalization and structuration: studying the links between
action and institution. Organization Studies, 18(1), 93-117.
Batagelj, V., & Mrvar, A. (2005). PAJEK – Program for analysis and visualization of large networks.
Ljubljana, Slovenia: University of Ljubljana.
Bidwell, C. (2006). Varieties of institutional theory: traditions and prospects for educational research.
In H. Meyer & B. Rowan (Eds.), The new institutionalism in education (pp. 33-50). Albany:
State University of New York Press.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 455
Blau, P. M. (1970). A formal theory of differentiation in organizations. American Sociological Review,
35(2), 201-218.
Borgatti, S. P., Everett, M. G., & Freeman, L. C. (2002). Ucinet for windows: software for social
network analysis. Boston: Harvard Analytic Technologies.
Burt, R. (1992). Structural holes: the social structure of competition. Cambridge, MA and London:
Havard University Press.
Burt, R. (1997). The contingent value of social capital. Administrative Science Quarterly, 42(2), 339-
365.
Burt, R. (1998). The gender of social capital. Rationality and Society, 10(1), 5-46.
Carpenter, M. A., & Westphal J. D. (2001). The strategic context of external network ties: examining
the impact of director appointments on board involvement in strategic decision making.
Academy of Management Journal, 44(4), 639-660.
Carstens, D. D. S., & Machado-da-Silva, C. L. (2006, setembro). Estratégia e estrutura de
relacionamentos na rede de Empresas Alpha. Anais do Encontro Nacional da Associação
Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.
Cochia, C. B. R., & Machado-da-Silva, C. L. (2004). Ambiente, interpretação e estratégia em
organizações paranaenses dos setores de vestuário e de alimentos. Revista de Administração
Contemporânea, 8(Edição Especial), 11-35.
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2009). CNPq – Número de bolsasano
no país e no exterior – 1951-2009. Recuperado em 28 abril, 2010, de
http://www.cnpq.br/estatisticas/TabelasdeQuantitativos/21_TotalBolsas_5108_n_v2.xls
Crubellate, J. M. (2007). Três contribuições conceituais neofuncionalistas à teoria institucional em
organizações. Revista de Administração Contemporânea, 11(1ª Edição Especial), 199-222.
Crubellate, J. M., Grave, P. S., & Mendes, A. A. (2004). A questão institucional e suas implicações
para o pensamento estratégico. Revista de Administração Contemporânea, 8(3), 37-60.
Crubellate, J. M., Rossoni, L., Mello, C. M., & Valenzuela, J. E. B. (2008). Respostas estratégicas de
programas paranaenses de mestrado/doutorado em administração à avaliação da CAPES:
configurando proposições institucionais a partir de redes de cooperação Acadêmica. Revista de
Negócios, 13(2), 77-92.
Dacin, M. T., Oliver, C., & Roy, J. (2007). The legitimacy of strategic alliances: an institutional
perspective. Strategic Management Journal, 28(2), 169-187.
DiMaggio, P., & Powell, W. (1991). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective
rationality. In W. Powell & P. DiMaggio (Eds.), The new institutionalism in organizational
analysis (pp. 63-82). Chicago: The University of Chicago Press.
Garud, R., Hardy, C., & Maguire, S. (2007). Institutional entrepreneurship as embedded agency: an
introduction to the special issue. Organization Studies, 28(7), 957-969.
GeoCapes Dados Estatísticos. (2009). Concessão de bolsas de pós-graduação da Capes no Brasil.
Recuperado em 28 abril, 2010, de http://geocapes.capes.gov.br/geocapesds/#app=3099&da7aselectedIndex=
0&5317-selectedIndex=0&c0ef-selectedIndex=0
Granovetter, M. S. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78(6) 1361-1380.
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Cristiane Marques de Mello, João Marcelo Crubellate, Luciano Rossoni 456
Hanneman, R. A., & Riddle, M. (2005). Introduction to social network methods. Riverside: University
of Califórnia.
Hardy, C., & Clegg, S. R. (2001). Alguns ousam chamá-lo de poder. In M. Caldas, R. Fachin, & T.
Fischer (Orgs.), Handbook de estudos organizacionais (Vol. 2). São Paulo: Atlas.
Hatch, M. J. (1997). Organization theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. Oxford:
Oxford University Press.
Machado-da-Silva, C. L. (2003). Respostas estratégicas da administração e contabilidade ao sistema
de avaliação da Capes. Revista Organização e Sociedade, 10(28), 63-77.
Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V., & Crubellate, J. M. (2005). Estrutura, agência e interpretação:
elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de
Administração Contemporânea, 9(1ª Edição Especial), 9-40.
Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and
ceremony. American Sociological Review, 83(2), 340-363.
Moody, J. (2004). The structure of a social science collaboration network: disciplinary cohesion from
1963 to 1999. American Sociological Review, 69(2), 213-238.
Nicolato, M. A. (2005). Sinopse da avaliação trienal da pós-graduação-2004 (período avaliado: 2001-
2003). Revista Brasileira de Pós-graduação, 2(3), 176-184.
Nooy, W. de, Mrvar, A., & Batagelj, V. (2005). Exploratory social network analysis with Pajek. New
York: Cambridge University Press.
Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of Management Review,
16(1), 145-179.
Rodan, S., & Galunic, C. (2004). More than network structure: how knowledge heterogeneity
influences managerial performance and innovativeness. Strategic Management Journal, 25(6),
541-562.
Rossetto, C. R., & Rossetto, A. M. (2005). Teoria institucional e dependência de recursos na
adaptação organizacional: uma visão complementar. RAE-Eletrônica, 4(1), 1-22. Recuperado
em 10 outubro, 2007, de http://www16.fgv.br/rae/artigos/1869.pdf
Rossoni, L. (2006). A dinâmica de relações no campo da pesquisa em organizações e estratégia no
Brasil: uma análise institucional. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná,
Curitiba, PR, Brasil.
Rossoni, L., & Guarido Filho, E. R. (2007). Cooperação interinstitucional no campo da pesquisa em
estratégia. Revista de Administração de Empresas, 47(4), 72-86.
Rossoni, L., & Guarido Filho, E. R. (2009). Cooperação entre programas de pós-graduação em
administração no Brasil: evidências estruturais em quatro áreas temáticas. Revista de
Administração Contemporânea, 13(3), 366-390.
Rossoni, L., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2008). Cooperação entre pesquisadores da área de
administração da informação: evidências estruturais de fragmentação das relações no campo
científico. Revista de Administração, 43(2), 138-151.
Rossoni, L., Hocayen-da-Silva, J., & Ferreira, I., Jr. (2008). Aspectos estruturais da cooperação entre
pesquisadores no campo da administração pública e gestão social: análise das redes entre
instituições no Brasil. Revista de Administração Pública, 47(6), 1041-1067
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 3, pp. 434-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
Dinâmica de Relacionamento e Prováveis Respostas Estratégicas de Programas Brasileiros de Pós-Graduação 457
Rowan, B. (2006). The new institutionalism and the study of educational organizations: changing
ideas for changing times. In H. Meyer & B. Rowan (Eds.), The new institutionalism in
education. (pp. 15-32). Albany: State University of New York Press.
Scott, W. R. (2001). Institutions and Organizations (2a ed.). Thousand Oaks: Sage.
Selltiz, C., Jahoda, M., Deutsch, M., & Cook, S. W. (1975). Métodos de pesquisa nas relações sociais.
São Paulo: EPU.
Wasserman, S., & Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications. Cambridge:
Cambridge University Press.
Watts, D. J., & Strogatz, S. W. (1998, June 4). Collective dynamics of “small-world” networks.
Nature, 393, 440-442.

Anúncios

Sobre Sindicato dos Administradores

Sindicato dos Administradores Rua São Bento, 1271 – Centro - Araraquara/SP (16) 3331 5868 sindicato@administrador.org.br

Publicado em 27/07/2009, em Artigos Científicos. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: