O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil

O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação
Interorganizacional no Brasil
The Field of Studies of Inter-organizational Cooperation Networks in Brazil
Alsones Balestrin *
Doutor em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e em Sciences de
L’information et de La Communication pela Universidade de Poitiers/França.
Professor titular da UNISINOS, São Leopoldo, RS, Brasil.
Jorge Renato Verschoore
Doutor em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professor da UNISINOS, São Leopoldo, RS, Brasil.
Edgar Reyes Junior
Doutorando em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos
* Endereco: Alsones Balestrin
Av. Unisinos, 950, Bairro Unisinos, São Leopoldo/RS, Brasil, 93022-000. E-mail – abalestrin@unisinos.br
Copyright © 2010 RAC. Todos os direitos, inclusive de tradução, são reservados. É permitido
citar parte de artigos sem autorização prévia desde que seja identificada a fonte.
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
460
RESUMO
O presente artigo tem como objetivo trazer maiores evidências às características do campo de estudos sobre
redes de cooperação interorganizacionais no Brasil. A pesquisa de campo foi conduzida por meio de uma análise
bibliométrica em 116 artigos publicados nos principais veículos de difusão científica na área de estudos
organizacionais, entre os anos 2000 e 2006. Os procedimentos metodológicos utilizados seguiram as orientações
do trabalho de Oliver e Ebers (1998). Entre os principais resultados, destaca-se o seguinte quinteto. (1) Quatro
teorias: estratégia, dependência de recursos, redes sociais e institucional, que consolidam a base conceitual
predominante na orientação dos estudos. (2) As pesquisas foram conduzidas, em sua grande maioria, por
abordagens qualitativas e transversais. (3) As redes horizontais (simétricas), os antecedentes de necessidade de
recursos materiais e imateriais, bem como os resultados de aprendizagem e de inovação apresentaram maior
interesse nos estudos brasileiros. (4) As teorias de estratégia, dependência de recursos, custos de transação, redes
sociais e institucional possuem a maior centralidade geodésica relativamente às demais. (5) A teoria de redes
sociais demonstrou forte centralidade de intermediação entre as teorias consideradas neste estudo.
Palavras-chave: redes; cooperação; interorganizacional; Brasil.
ABSTRACT
The aim of this article is to provide more evidence on the characteristics of the field of studies of interorganizational
cooperation networks in the Brazilian context. The field research was carried out through a
bibliometric study of 116 academic articles published in the major scientific journals in the field of
organizational studies between 2000 and 2006. The methodological procedures followed the guidelines of the
study of Oliver and Ebers (1998). The main results obtained from the bibliometric study were: (1) four theories –
strategy, resource dependence, network and institutional – consolidate a predominant conceptual base in the
orientation of the studies; (2) the research was mainly carried out by qualitative and cross sectional methods; (3)
horizontal networks, material and immaterial antecedent resources, as well as the learning and innovation
outcomes, were the main focus of the studies in the Brazilian context; (4) the theories of strategy, resource
dependence, transaction, social network and institutional costs are considerably over-represented with regard to
their Bonacich centrality; (5) the network theory had a strong level of betweenness centrality among the many
theories considered in this study.
Key words: cooperation; networks; inter-organizational; Brazil.
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
461
INTRODUÇÃO
O mundo ainda não vive o apogeu da sociedade em rede, descrita por Castells (1999); mas alguns
fatos recentes demonstram sua ascensão. Em nenhum outro momento a cooperação e as redes
receberam tanto interesse quanto atualmente. Livros de grande vendagem, que tratam das
transformações econômicas e do mundo dos negócios, são enfáticos em destacar a capacidade de
colaboração e da estruturação em rede como condições fundamentais para o êxito organizacional
(Anderson, 2006; Benkler, 2007; Friedman, 2005; Gladwell, 2002; Prahalad & Ramaswamy, 2004;
Surowiecki, 2006; Tapscott & Williams, 2007). A revista Forbes reconheceu, no final de 2007, a
importância das redes na economia contemporânea, publicando uma edição especial para aprofundar o
tema (Post, 2007), enquanto o Fórum Econômico Mundial definiu o poder da inovação colaborativa
como tema central do encontro de 2008. Tais fatos evidenciam que a colaboração em rede, aos poucos,
se insere nas principais correntes do campo econômico-organizacional.
Paralelamente, no contexto acadêmico de estudos organizacionais, observa-se que o tema relativo às
redes de cooperação entre organizações tem evoluído constantemente desde a década de 1990. Alguns
dos mais importantes periódicos científicos internacionais já realizaram edições especiais dedicadas às
redes, como é o caso da revista Organization Studies (1998) e do Academy of Management Journal
(2004). Mais recentemente, em 2007, a revista International Management abriu uma chamada de
artigos para uma edição especial sobre redes com ênfase na internacionalização (Business networks:
an international management perspective).
Da mesma forma, eventos científicos internacionais despertam a atenção pela relevância concedida
ao tema das redes no contexto organizacional, como é o caso da Association Internationale de
Management Stratégique [AIMS], que é um dos principais eventos sobre estratégia no campo
francófono e que teve como tema central as relações interorganizacionais (Relations
Interorganisationnelles) em sua 15ª edição, ocorrida em Genebra, no ano de 2006. Outro exemplo é a
chamada de artigos para o congresso da Academy of International Business [AIB], que ocorreu em
2008, na cidade de Milão, apresentando como tema geral o desenvolvimento de conhecimento nas
redes de negócios internacionais (Knowledge development and exchange in international business
networks). Destaca-se também um dos principais eventos europeus sobre estudos organizacionais,
promovido pelo European Group for Organizational Studies [EGOS], que em mais de uma década
apresenta uma subárea dedicada às pesquisas das redes organizacionais (Organizational network
research). Por fim, ressalta-se um evento específico sobre redes de cooperação interorganizacional,
denominado Multi-Organizational Partnerships, Alliances and Networks [MOPAN], cuja 15ª edição
ocorreu em 2008 em Boston; portanto, no contexto internacional, há inequívoco interesse sobre as
redes de cooperação interorganizacional.
Na esfera acadêmica brasileira, ocorre fenômeno semelhante, embora os estudos sobre redes de
cooperação interorganizacional sejam mais recentes. Somente nos últimos anos é que se tem
observado um aumento na quantidade e na qualidade das pesquisas e das publicações que enfocam o
tema. Contudo esse rápido crescimento já foi capaz de estabelecer um campo estruturado de estudos
no Brasil. Destacam-se, entre outros, os três eventos científicos realizados em 2006, que tiveram o
tema redes de cooperação interorganizacional em seu eixo de centralidade. O primeiro foi o XXIV
Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, realizado pela Associação Nacional dos Programas de
Pós-Graduação em Administração [ANPAD], cujo tema foi ‘Inovação em redes e redes de inovação’.
O segundo foi o XVI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas,
realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores
[ANPROTEC], cujo tema foi ‘Redes institucionais promovendo o empreendedorismo inovador’. O
terceiro foi o II Cooperação Brasil, realizado em Porto Alegre, que contou com mais de mil
participantes e teve a apresentação de palestras, artigos e casos nacionais e internacionais sobre as
redes de cooperação. Em 2008, o Encontro de Estudos Organizacionais [EnEO], promovido pela
ANPAD, definiu as ‘Redes e relacionamentos intra e interorganizacionais’ como um de seus temas de
interesse. Além dos eventos, as principais revistas científicas brasileiras no campo dos estudos
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
462
organizacionais também têm publicado algumas dezenas de artigos sobre o assunto, como foi o caso
da edição especial da Revista de Administração de Empresas [RAE-FGV] (Bertero, 2006), com o tema
‘Redes sociais e interorganizacionais’.
Nesse contexto, a problemática que se coloca aos pesquisadores e interessados no assunto é
compreender a dimensão e as características do campo de estudos sobre redes de cooperação
interorganizacional no Brasil. Entre tantas questões relevantes que surgem, algumas podem ser
destacadas. Quais são as instituições de pesquisas mais envolvidas com o tema? O campo de estudos é
diversificado ou não? Existem perspectivas teóricas dominantes? Quais metodologias costumam ser
adotadas? Em face dessas questões, o presente trabalho tem como objetivo trazer maiores evidências
do campo de estudos sobre redes de cooperação no Brasil.
Para alcançar tais resultados, o artigo está estruturado da seguinte forma: primeiramente, são
aprofundados os aspectos conceituais sobre redes de cooperação interorganizacional, em direção às
principais abordagens epistemológicas e metodológicas utilizadas nas pesquisas; na sequência,
apresenta-se uma síntese da metodologia utilizada, com vistas a seguir os procedimentos e os
instrumentos utilizados por Amália Oliver e Mark Ebers (1998), em um artigo seminal no campo de
estudos sobre redes de cooperação no cenário internacional; a seguir, analisam-se os resultados e, no
final, destacam-se algumas considerações sobre as implicações e as limitações do estudo.
O CAMPO DE ESTUDO SOBRE REDES DE COOPERAÇÃO ENTRE ORGANIZAÇÕES
A cooperação entre organizações com o objetivo de obter soluções coletivas tem recebido crescente
atenção nos estudos e práticas organizacionais nas últimas três décadas (Nohria & Eccles, 1992). O
propósito central das redes de cooperação no campo organizacional é reunir atributos que permitam
uma adequação ao ambiente competitivo em uma estrutura dinâmica, sustentada por ações
uniformizadas, porém descentralizadas, que possibilite ganhos de escala da união, mas que evite que
as empresas envolvidas percam a flexibilidade do porte enxuto (Thompson, 2003). De acordo com
Miles e Snow (1986), as redes despontaram a partir dos anos 1980, principalmente para que as
empresas conseguissem lidar com o amplo conjunto de exigências competitivas que a virada de século
apontava.
As redes de cooperação têm a capacidade de facilitar a realização de ações conjuntas e a transação
de recursos para alcançar objetivos organizacionais. Podem ser definidas como o conjunto de
transações repetidas e sustentadas por configurações relacionais e estruturais dotadas de fronteiras
dinâmicas e elementos interconectados (Todeva, 2006). As redes de cooperação constituem, portanto,
um fenômeno presente da teoria organizacional e, por isso, têm sido reiteradamente estudadas a partir
de diferentes abordagens teóricas (Grandori & Soda, 1995). Tal interdisciplinaridade de contribuições
também foi evidenciada por Oliver e Ebers (1998) e Brass, Galaskiewicz, Greve e Tsai (2004), ao
apresentarem as principais correntes teóricas, utilizadas nas pesquisas, sobre redes de cooperação entre
organizações, destacando-se: a economia industrial, a abordagem de dependência de recursos, a teoria
de redes sociais, as teorias críticas, a teoria institucional, a teoria dos custos de transação e a
abordagem de estratégias organizacionais.
A abordagem da economia industrial é utilizada nas pesquisas sobre redes para permitir que se
entenda como os diferentes ganhos econômicos de produção – economias de escala, de escopo e de
especialização – explicam a eficiência das redes. Por exemplo, o ganho de especialização tem sido
indicado como relevante fator para explicar por que uma rede de empresas pode ser mais eficiente do
que uma firma integrada (verticalizada) na produção de certo bem (Eccles, 1981). O ganho de escala
tem papel relevante no acesso a recursos, na provisão conjunta de serviços ou no suporte de
investimentos em P&D (Turati, 1990). Já o ganho de escopo pode ser a base de formação de acordos
que visam à utilização colaborativa de equipamentos e know-how (Teece, 1980). A perspectiva da
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
463
economia industrial assume que as redes podem apresentar uma eficiência superior ao modelo
tradicional da grande empresa verticalizada.
A teoria sobre dependência de recursos é outra abordagem utilizada nos estudos sobre redes de
cooperação. Seu foco de interesse é entender o processo por meio do qual as organizações reduzem
suas dependências ambientais, utilizando várias estratégias para aumentar seu próprio poder. Essa
teoria distingue entre tipos de dependência de recursos, materiais ou imateriais, como possíveis
determinantes na formação de redes. Nesse sentido, cabe destacar o trabalho de Pfeffer e Salancik
(1978), que revisa algumas das principais formas de redes de cooperação e outros tipos de redes
sociais. Na ótica da dependência de recursos, as empresas organizam-se em redes, a fim de
compartilhar ou acessar recursos escassos.
A teoria sobre redes sociais (social networks) é utilizada para estudar como os laços sociais entre os
atores de determinada rede poderão afetar o desempenho da empresa. Em seu trabalho, Burt (1992)
procurou especificar como diferentes posições dentro de uma rede de relacionamentos afetam as
oportunidades dos atores. Por exemplo, o posicionamento de um ator na rede, representado pelo
número de inter-relações com outros atores, poderá reforçar as relações de poder diante dos atores
marginais da rede. Em outras contribuições, autores como Granovetter (1981) destacam que uma das
questões clássicas da teoria social é como os comportamentos e as instituições são afetados pelas
relações sociais. Este autor analisa, sobretudo, até que ponto a ação econômica está imersa nas
estruturas das relações sociais no âmbito da moderna sociedade industrial (Granovetter, 2007).
As teorias críticas são utilizadas para entender, sob a ótica do poder e da dominação, como as
relações são estabelecidas numa estrutura em rede. Para elas, a estratégia em rede não é justificada por
nenhuma noção de eficiência ou efetividade, e sim pelo mecanismo de poder para a reprodução de
elites e de classes dominantes (Whitt, 1980). A maior parte dos trabalhos nessa direção tem sido
conduzida no campo da sociologia, como o trabalho de Perucci e Potter (1989). Segundo o debate
dessas teorias, existe ampla manipulação, por parte de alguns atores, nas relações em redes. Essa
manipulação ocorre especialmente nos casos em que existe visível assimetria de poder dos agentes que
participam da rede.
A teoria institucional trata da dependência como do conceito central na configuração das redes; no
entanto a dependência não é de recursos materiais, e sim de legitimação. Segundo esse enfoque, as
organizações buscam ganhar legitimidade no momento de participar de uma rede. Esses estudos
analisam os mecanismos institucionais pelos quais as relações interorganizacionais são iniciadas,
negociadas, desenhadas, coordenadas, monitoradas, adaptadas e terminadas. Cabe destacar o trabalho
de DiMaggio e Powell (1983) sobre os diversos tipos de inter-relações formais e informais como
modo de evitar o isolamento e alcançar legitimidade no ambiente institucional. Pela ótica da teoria
institucional, se uma empresa ingressa em rede composta por empresas renomadas, poderá obter como
resultado indireto o reconhecimento de ser uma empresa idônea e operar com os padrões de qualidade
dos demais parceiros.
As teorias sobre estratégia foram utilizadas para entender como a cooperação e as relações
interorganizacionais podem gerar impacto na competitividade das empresas. As teorizações abordam,
mais especificamente, o conceito de estratégia colaborativa e emergiram com maior vigor a partir da
década de 80. Os estudos de Astley (1984) e de Astley e Fombrun (1983) foram fundamentais para
consolidar este conceito no campo organizacional. A maior contribuição desses estudos está na
compreensão de que as estratégias das empresas não precisam limitar-se aos relacionamentos
competitivos no ambiente, havendo inúmeras possibilidades para o desenvolvimento de ações
colaborativas de curta e longa duração. A partir dessa idéia, a resposta ao determinismo ambiental da
perspectiva de competição individual ocorre pela readequação do conceito de estratégia, em termos da
mobilização coletiva de ações e de recursos orientados ao alcance de objetivos comuns entre parceiros
empresariais, conforme tem sido argumentado em diversos trabalhos (Dyer & Singh, 1998; Gulati,
Nohria, & Zaheer, 2000; Jarillo, 1993). Pela perspectiva da estratégia, a configuração em rede tem-se
apresentado como eficiente meio para alcançar os objetivos coletivos das empresas associadas.
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
464
Essas abordagens teóricas ofereceram múltiplas contribuições aos estudos sobre redes de
cooperação, colaborando para o seu melhor entendimento. Evidentemente, outras teorias, como a
ecologia populacional, a teoria evolucionária e a teoria contingencial, entre outras, também fornecem
elementos para a análise e conhecimento do fenômeno. A variedade das abordagens teóricas foi um
dos ingredientes que ajudou a produzir explicações complementares e por vezes concorrentes no
campo de estudos sobre redes de cooperação, pelo fato de adotarem diferentes paradigmas de leitura
da realidade estudada. Isso explica, em parte, as diferentes definições e entendimentos do conceito de
rede de cooperação, utilizados na economia, na sociologia, na administração e na ciência política.
Outro fator de complexidade no campo de estudos das redes refere-se ao nível de análise em que as
redes podem ser estudadas. Brass et al. (2004) argumentam que uma rede de cooperação
interorganizacional é composta de no mínimo três níveis: os indivíduos que fazem parte de grupos, os
grupos que fazem parte de organizações e as organizações que fazem parte da rede. Logo, dependendo
do foco de análise do pesquisador, os resultados e a compreensão da dinâmica da rede poderão ser
diferentes. Já para Todeva (2006) o grau de complexidade poderá variar em função de três tipos de
dimensões que normalmente são estudadas em uma rede: o ator, a relação (elo) e a rede como um
todo. Oliver e Ebers (1998) destacam que muitos estudos apresentam outros três níveis como foco de
análise: os antecedentes (motivações que levam a formação da rede), o processo (gestão e coordenação
da rede) e os resultados (ganhos das redes). Diante dessa diversidade de olhares, cabe ressaltar que as
várias abordagens teóricas e metodológicas que analisam as redes em suas características e níveis
devem ser tratadas como salutares em face da complexidade do fenômeno, pois fortalecem a
capacidade de compreensão e de consolidação desse tema no campo de estudos organizacionais.
METODOLOGIA DA PESQUISA
A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliométrica e teve como base os procedimentos adotados
por Oliver e Ebers (1998). Tal estudo analisou 158 artigos, publicados entre 1980 e 1996, em quatro
das principais revistas científicas internacionais ligadas ao tema (American Sociological Review,
Administrative Science Quarterly, Academy of Management Journal e Organizations Studies).
Adotando-se os mesmos procedimentos para o contexto brasileiro, o trabalho foi realizado no decorrer
do segundo semestre de 2007 e envolveu cinco etapas de desenvolvimento.
1ª Etapa – Delimitação do escopo de análise. Primeiramente foram definidas as publicações, em
cujos artigos se faria a seleção. Para tanto elegeram-se os principais veículos de difusão científica na
área de estudos organizacionais no Brasil. Optou-se em delimitar as publicações segundo a
classificação da Capes – Qualis, 2001-2003, na área de Administração, Ciências Contábeis e
Turismo. Tal critério resultou na escolha de cinco revistas: Revista de Administração [RAUSP],
Revista de Administração de Empresas [ERA], Revista Organização e Sociedade [O&S], Revista de
Administração Contemporânea [RAC] e Revista Eletrônica de Administração [REAd] − e uma
publicação de evento (Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em
Administração [ENANPAD]). Para a delimitação do período histórico de análise, foram consideradas
as publicações desde o ano 2000 ao ano 2006. Foi a partir desse período que se percebeu a emergência
e o crescente interesse desse tema no campo de estudos organizacionais do Brasil.
2ª Etapa – Seleção dos artigos. Seguindo as orientações de Oliver e Ebers (1998), a seleção dos artigos
para a análise bibliométrica foi realizada a partir da definição de palavras-chave que deveriam estar
presentes no título ou no resumo do artigo. Considerando que o conceito de redes de cooperação
interorganizacional é, muitas vezes, tratado por termos análogos, procedeu-se à definição de algumas
palavras-chave para a seleção dos artigos, entre as quais: redes, cooperação, interorganizacional,
interfirmas, alianças, parcerias, colaboração e consórcios. Essa pré-seleção com palavras-chave, realizada
diretamente nas bases das publicações, resultou em uma pré-seleção de 143 artigos. Em uma fase seguinte,
refinou-se a amostra, excluindo os artigos referentes a redes interorganizacionais, conforme critério de
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
465
Oliver e Ebers (1998). Essa etapa foi conduzida integralmente pelos pesquisadores e, no final, foram
selecionados 132 artigos como amostra para os procedimentos de análise.
Cabe salientar que os critérios de escolha das revistas, bem como a delimitação das palavras-chave
para selecionar os artigos, poderão provocar vieses nos resultados deste estudo. Tal fato também foi
destacado por Oliver e Ebers (1998), devendo o leitor relativizar as evidências e estar ciente de que,
caso as palavras-chave ou as publicações fossem outras, possivelmente os resultados da análise
bibliométrica seriam influenciados.
3ª Etapa – Instrumento de coleta dos dados. O artigo de Oliver e Ebers (1998) traz uma tabela
com 77 variáveis, subdivididas em sete dimensões, utilizadas no instrumento de análise dos artigos.
Dessa forma, os artigos foram avaliados segundo o elenco seguinte.
1) A teoria utilizada para o estudo das redes: estratégia, dependência de recursos, redes sociais,
institucional, custos de transação, organização industrial, contingencial, ecologia populacional,
tomada de decisão, evolucionária, poder político, estruturalismo, trocas (exchange theory),
agência, barganha (bargaining theory), marketing industrial e leis trabalhistas (labour law).
2) O método utilizado nas pesquisas sobre redes: empírico, transversal, qualitativo, quantitativo e
longitudinal.
3) O tipo de laço relacional entre os atores: múltiplo, diádico, horizontal, vertical, social, contratual,
político e proprietário.
4) O nível de análise: regional ou setorial, grupos de organizações, organização, institucional, grupos
de indivíduos e individual.
5) Os antecedentes que levaram à formação da rede: acesso a recursos imateriais, acesso a recursos
materiais, congruência de objetivos, existência prévia de confiança, posição já exercida por um
ator na rede, dependência de recursos, restrições ou pressões do mercado, escassez de recursos,
ação de exercer oportunismo sobre outros atores na rede, ação de mitigar conflito existente, busca
de estabilidade, especificidade de ativos e densidade organizacional (proximidade geográfica).
6) O processo de funcionamento da rede: motivação e intenção (forma como os objetivos são
perseguidos nas redes); aprendizado, seleção natural (influência de fatores ambientais); imitação
(replicação de decisões entre os atores); e hábito (reprodução de padrões ou comportamentos).
7) Os resultados da cooperação em rede: aprendizagem, sucesso no alcance dos objetivos, inovação,
aumento de confiança, redução de custo, estabilidade, poder (barganha), maior similaridade entre os
atores, conflito, capacidade de difusão de um determinado fenômeno, legitimidade, participação
política, tamanho, compromisso, retorno, maior centralidade, oportunismo, prevalência, persistência,
melhor capacidade de decisão entre comprar ou produzir, ascensão, extinção e maior densidade.
No instrumento de pesquisa, essas variáveis foram colocadas em uma tabela e concebidas para
assumir valor dicotômico, ou seja, o valor 1 para a existência no artigo e o valor 0 para a nãoexistência.
Destaca-se ainda que mais de uma variável poderia ser escolhida para a mesma dimensão
de análise, conforme características do artigo analisado. Nessa etapa, os pesquisadores conduziram a
tradução do instrumento (do original em inglês para o português). De modo complementar ao
instrumento original, foram incluídas duas novas variáveis: nome e afiliação institucional
(universidade) dos autores no momento da publicação. Essas duas variáveis foram úteis para a
identificação de grupos e instituições de pesquisa nos quais estão sendo conduzidas as pesquisa sobre
redes no contexto brasileiro.
4ª Etapa – Aplicação do instrumento de coleta de dados. Foi aplicado o instrumento de coleta de
dados na amostra de 132 artigos. Essa fase contou com a colaboração dos alunos de Mestrado em
Administração que, após terem estudado em profundidade o artigo de Oliver e Ebers (1998) e tomado
conhecimento dos critérios de análise, auxiliaram na aplicação do instrumento de coleta de dados na
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
466
amostra de artigos. Como procedimento final de validação da classificação dos artigos, foi realizado
um seminário, em que cada um dos integrantes da equipe da pesquisa apresentou seus resultados e
possíveis dúvidas, as quais foram esclarecidas em conjunto. No final, depois de aplicados todos os
procedimentos concernentes a essa etapa, foram excluídos da amostra outros 16 artigos, por não se
encaixarem no tema ou por apresentarem elevada ambiguidade em face das dimensões de análise.
Como resultado, restaram 116 artigos válidos para serem processados na etapa seguinte da pesquisa.
5ª Etapa – Análise dos resultados. A principal característica da pesquisa realizada por Oliver e
Ebers (1998) foi o tratamento dos dados por meio da análise de redes (network analysis). Assim, cada
artigo foi considerado um ator dentro da rede de 116 artigos que constituem a amostra dos estudos
sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Para o tratamento dos dados, foram utilizados
os softwares UCINET 6.171 e Netdraw 2.065. Esses recursos permitiram multiplicar a matriz original
retangular (77 variáveis por 116 artigos) por sua transposição (116 artigos por 77 variáveis),
resultando a matriz simétrica de 77 variáveis por 77 variáveis, denominada matriz de afiliação. O
mesmo procedimento foi empregado para analisar a afiliação institucional dos autores das publicações.
Novamente, uma matriz de afiliação de instituições foi gerada, a partir da matriz retangular original de
116 artigos, com 59 instituições nacionais e estrangeiras.
A análise de redes, efetuada nos artigos brasileiros, acompanhou o trabalho de Oliver e Ebers
(1998), sendo calculadas a frequência e as medidas de centralidade para cada uma das 77 variáveis.
Para determinar e comparar a centralidade dos conceitos abordados foram utilizadas duas medidas: a
centralidade geodésica e a centralidade de intermediação.
A centralidade geodésica (Eigenvector ou Bonacich Centrality) permite identificar os atores mais
centrais, em termos de estrutura geral da rede, na qual a centralidade de um ator é igual à soma das suas
conexões com outros atores, ponderada pelo grau de centralidade desses outros atores (Bonacich, 1987).
Quanto maior a centralidade geodésica de um ator, maior poder ele deterá, porque terá contato com atores
distribuídos por toda a rede (Wasserman & Faust, 1994). A centralidade de intermediação (Betweenness),
na qual se mede o grau em que a variável focada se situa como elo entre outras variáveis que não estão
diretamente conectadas (Freeman, 1979). Tal medida indica que a interação dos atores não adjacentes pode
depender de outros, potencialmente susceptíveis de ter algum controle sobre estas interações. Essas duas
medidas indicam os conceitos que têm sido centrais na investigação de redes de cooperação
interorganizacional e a capacidade que, por exemplo, uma teoria tem de conectar duas teorias.
Paralelamente, na análise das instituições às quais os autores dos artigos analisados estão afiliados,
foi utilizada a centralidade de grau (degree), que aponta o número de laços diretos que uma das
variáveis possui com as outras variáveis que formam a rede (Wasserman & Faust, 1994). Na pesquisa,
essa análise foi necessária para identificar o número de artigos produzidos em colaboração entre
autores de diferentes instituições.
RESULTADOS DA PESQUISA
Os dados analisados na pesquisa bibliométrica do campo de estudos em redes de cooperação
interorganizacional no Brasil demonstram que, tal como ocorre no contexto internacional, há crescente
interesse pelo tema no cenário brasileiro de estudos organizacionais. A partir da análise dos dados, foi
possível identificar o estabelecimento de um debate acadêmico permanente sobre o papel das redes de
cooperação no desenvolvimento das organizações e da sociedade. De forma recorrente, as revistas e os
eventos científicos na área da administração têm publicado trabalhos que abordam o fenômeno,
incentivando a curiosidade dos leitores e promovendo a aproximação de outros pesquisadores. Na próxima
seção será analisada a dimensão do campo de estudos sobre redes de cooperação interorganizacional no
Brasil, além de um paralelo com o trabalho de Oliver e Ebers (1998) que, para fins de comparação nesta
pesquisa, será definido como o contexto internacional de estudos sobre redes.
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
467
Compreendendo o Campo de Estudos sobre Redes Interorganizacionais no Brasil
Uma primeira categoria de análise dos resultados (Tabela 1) visa a ressaltar as principais teorias
orientadoras dos estudos sobre redes de cooperação no Brasil. Nesse aspecto, os resultados estão alinhados
com o contexto da pesquisa internacional. Dentre as cinco teorias utilizadas com maior frequência, quatro
foram igualmente identificadas no trabalho de Oliver e Ebers (1998): estratégia; dependência de recursos,
redes sociais e teoria institucional. No entanto destaca-se a marcante presença da teoria de estratégia na
amostragem dos artigos brasileiros. Essa teoria teve 47,41% de frequência nos artigos analisados, enquanto
no estudo de Oliver e Ebers (1998) esteve presente em 15,8% dos artigos.
Algo que chama a atenção é a elevada frequência da abordagem sobre estratégia nos estudos
brasileiros. Ao analisar as publicações, observa-se uma tendência dos estudos em compreender as
redes mais como estratégia das organizações para competirem do que, propriamente, como
características inerentes a esse novo fenômeno. Ao tratar das redes como de estratégia, ou meio, para a
empresa alcançar seus fins, muitos estudos se apropriam de alguns conceitos clássicos do campo da
estratégia, associados, sobretudo, à competitividade e ao desempenho organizacional. Por outro lado,
os resultados da pesquisa internacional identificaram que os artigos buscavam, principalmente, o
entendimento de aspectos sociais e organizacionais da nova configuração formada pela rede.
Tabela 1
Freqüência das Variáveis na Amostra de Artigos Analisada
TEORIAS n % ANTECEDENTES n %
Estratégia 55 47,41% Recursos imateriais 45 38,79%
Dependência de recursos 35 30,17% Congruência de objetivos 44 37,93%
Redes sociais 33 28,45% Recursos materiais 34 29,31%
Institucional 32 27,59% Confiança 24 20,69%
Custos de transação 32 27,59% Posição na rede 23 19,83%
Organização industrial 21 18,10% Dependência 21 18,10%
Contingencial 12 10,34% Pressões do mercado 18 15,52%
Ecologia populacional 11 9,48% Escassez de recursos 15 12,93%
Tomada de decisão 10 8,62% Oportunismo 15 12,93%
Evolucionária 9 7,76% Conflito 14 12,07%
Poder político 8 6,90% Estabilidade 6 5,17%
Estruturalismo 8 6,90% Especificidade de ativos 6 5,17%
Trocas 7 6,03% Densidade organizacional 5 4,31%
Agência 7 6,03%
Barganha 6 5,17% PROCESSOS n %
Marketing industrial 3 2,59% Motivação e intenção 70 60,34%
Leis trabalhistas 1 0,86% Aprendizado 46 39,66%
Seleção 14 12,07%
Imitação 14 12,07%
Hábito 4 3,45%
Continua
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
468
Tabela 1 (continuação)
LAÇO RELACIONAL n % RESULTADOS n %
Múltiplo 35 42,20% Aprendizagem 54 46,55%
Horizontal 26 31,30% Sucesso 50 43,10%
Social 21 25,30% Inovação 44 37,93%
Diádico 15 18,10% Confiança 30 25,86%
Vertical 15 18,10% Custo/preço 25 21,55%
Contratual 14 16,90% Estabilidade 17 14,66%
Político 13 15,70% Poder/controle 15 12,93%
Proprietário 5 6,00% Similaridade 11 9,48%
Conflito 11 9,48%
Difusão 10 8,62%
MÉTODO n % Legitimidade 10 8,62%
Empírico 92 79,31% Participação política 9 7,76%
Transversal 88 75,86% Tamanho 9 7,76%
Qualitativo 69 59,48% Comprometimento 8 6,90%
Quantitativo 27 23,28% Receita 8 6,90%
Longitudinal 5 4,31% Centralidade 8 6,90%
Oportunismo 8 6,90%
Prevalência 4 3,45%
NÍVEL DE ANÁLISE n % Persistência 4 3,45%
Grupos de organizações 62 53,45% Produzir ou comprar 4 3,45%
Organizacional 40 34,48% Ascensão 3 2,59%
Regional ou setorial 25 21,55% Extinção 2 1,72%
Institucional 10 8,62% Densidade 2 1,72%
Grupos de indivíduos 9 7,76%
Individual 6 5,17%
No entanto deve-se considerar que nas quatro revistas selecionadas por Oliver e Ebers (1998)
encontra-se a American Sociological Review e a Organizations Studies, que utilizam abordagens mais
voltadas aos aspectos sociais e organizacionais, como, por exemplo, redes sociais, poder político,
teoria institucional, entre outros conceitos ligados à governança. Tal fato promove um possível viés
em relação aos resultados encontrados nos estudos brasileiros, selecionados a partir de periódicos e
eventos voltados mais à área da Administração.
Referente ao tipo de laço relacional entre as organizações que estiverem no foco das pesquisas
brasileiras, observa-se que a maioria dos estudos enfoca os laços múltiplos em proporção maior do que
os laços diádicos. Outro resultado relevante é que as pesquisas no Brasil focalizam mais intensamente
as redes horizontais, formadas por organizações de um mesmo elo da cadeia produtiva, do que as redes
verticais, que agrupam organizações em diferentes posições na cadeia. Uma explicação para esse
achado é o surgimento de grande número de redes associativas de pequenas e médias empresas na
região sul Brasil, que acabaram transformando-se em objeto de estudo pelas instituições acadêmicas
locais (Balestrin & Verschoore, 2008).
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
469
Quanto ao nível de análise, há outro significativo contraste entre as pesquisas brasileiras e
internacionais. No Brasil, mais da metade dos trabalhos analisados estudam as questões ligadas ao
grupo de organizações, ou seja, a rede de cooperação em si. Os artigos da amostra de Oliver e Ebers
(1998), por sua vez, abordaram sobretudo as questões relativas à organização que está associada à
rede. No caso brasileiro, a explicação para o foco no estudo da rede em si pode estar associado ao fato
de o fenômeno das redes ser recente, o que leva o pesquisador a buscar o entendimento inicial quanto
aos antecedentes, aos processos e aos resultados da existência da rede; só após, ele busca o
entendimento dos ganhos alcançados pelas empresas associadas.
Em relação aos antecedentes que levaram à formação das redes de cooperação interorganizacional,
estudadas no Brasil, há evidente predominância da necessidade de acesso a recursos materiais e imateriais,
além da congruência de objetivos. Paralelamente, motivação e intenção foi a variável de processo mais
estudada pelos pesquisadores brasileiros. Essa evidência indica que 60,34% dos estudos que focaram o
entendimento do processo de funcionamento das redes buscaram a compreensão das motivações e
intenções de decisões e ações de seus atores na busca dos objetivos coletivos. Em ambos os casos,
antecedentes e processo, há consonância com os resultados encontrados no contexto internacional. Em tal
estudo, os recursos materiais e imateriais também estavam entre os principais antecedentes, como, no
Brasil, a mesma variável de processo apareceu em 60% dos trabalhos analisados.
O mesmo alinhamento não ocorre em relação às dimensões referentes ao método de pesquisa
adotado e aos resultados obtidos pelas redes. De acordo com os dados apresentados na Tabela 1, o
contexto brasileiro caracteriza-se por estudos empíricos predominantemente qualitativos (59,48%),
fato que leva os estudos quantitativos a ocuparem uma parcela reduzida da amostra (23,28%). Nas
publicações internacionais, analisadas por Oliver e Ebers (1998), observa-se uma relação inversa, isto
é, os estudos quantitativos representam 74,7% da amostra e os qualitativos apenas 29,7%.
O elevado índice de estudos qualitativos no Brasil, somado ao pequeno número de estudos
longitudinais (4,31%), pode ser resultado, pelo menos, de dois fatores: (1) a maioria das publicações está
associada à pesquisa exploratória, podendo indicar que os estudos sobre o tema, no contexto brasileiro,
se encontram ainda incipientes, principalmente ao serem comparados com as pesquisas internacionais,
que surgiram com forte interesse ainda no final da década de 80; (2) seguir uma tendência dos estudos
organizacionais brasileiros, conforme Rodrigues e Carrieri (2001) aproximadamente 70% das
publicações na década de 90 correspondem a estudos qualitativos, salientando: “assim como os franceses
… os brasileiros também preferem as metodologias qualitativas” (Rodrigues & Carrieri, 2001, p. 93).
No que se refere à dimensão dos resultados, há clara predominância das variáveis aprendizagem,
sucesso e inovação. Quase metade dos estudos analisou os ganhos de aprendizagem e cerca de 38%
deles analisaram os ganhos relacionados à inovação. Considerando que essas duas variáveis juntas
obtiveram uma frequência não superior a 19% na amostra de Oliver e Ebers (1998), sugerem-se, no
mínimo, três possíveis explicações para tamanha diferença entre os dois estudos: (1) devido ao viés
provocado pela amostra de Oliver e Ebers (1998), uma das quatro revistas analisadas está mais voltada
a questões sociológicas das redes; (2) devido à diferença histórica entre as amostras de artigos, no caso
brasileiro, superior em dez anos à amostragem do contexto internacional, pode ter ocorrido maior
preocupação, na última década, com os temas de inovação e de aprendizagem no contexto das redes;
(3) devido à possível tendência dos pesquisadores brasileiros em dar maior ênfase à análise de
resultados como inovação, aprendizagem e sucesso nas redes, em detrimento de questões ligadas ao
poder e ao conflito, com vistas a uma análise mais crítica dos resultados das redes de cooperação
interorganizacional.
Aspectos Relacionais das Teorias, dos Antecedentes e dos Resultados
Uma segunda categoria de análise dos resultados englobou a identificação dos graus de centralidade
entre as teorias utilizadas para os estudos sobre redes de cooperação. Para tanto gerou-se uma matriz
com as 17 abordagens teóricas. O objetivo da matriz foi identificar que teorias são mais ou menos
centrais no campo de estudos brasileiros, bem como de que forma as diversas teorias estão
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
470
relacionadas umas às outras. A Tabela 2 apresenta os valores de frequência e de centralidade para cada
uma das 17 teorias, ordenando-as de acordo com a sua centralidade geodésica.
Tabela 2
Freqüência, Centralidade Geodésica e Centralidade de Intermediação das Teorias
TEORIAS Freqüência Centralidade Geodésica Centralidade de Intermediação
Estratégia 47,41% 0,615 6,643
Dependência de recursos 30,17% 0,413 6,643
Custo de transação 27,59% 0,353 5,626
Redes sociais 28,45% 0,339 7,257
Institucional 27,59% 0,313 3,560
Organização industrial 18,10% 0,222 4,967
Contingencial 10,34% 0,133 1,752
Ecologia populacional 9,48% 0,110 2,254
Evolucionária 7,76% 0,093 1,414
Tomada de decisão 8,62% 0,076 1,085
Agência 6,03% 0,074 0,286
Barganha 5,17% 0,065 0,000
Troca 6,03% 0,062 0,292
Estruturalismo 6,90% 0,061 1,621
Poder político 6,90% 0,054 0,236
Lei trabalhista 0,89% 0,016 0,000
Marketing industrial 2,59% 0,012 0,365
Observa-se que as cinco teorias mais frequentes nos estudos são também as mais centrais em termos
geodésicos, apresentando-se na seguinte ordem: estratégia, dependência de recursos, custos de transação,
redes sociais e institucional. No caso do estudo de Oliver e Ebers (1998), três teorias empregadas com
maior frequência foram também as mais centrais na seguinte ordem: dependência de recursos, redes
sociais e poder político. Ressalta-se que a teoria de poder político apresentou menor relevância no
contexto brasileiro, ficando em décima quinta posição, em termos de centralidade geodésica.
Em relação à centralidade de intermediação das teorias, isto é, o grau em que a teoria empregada se situa
como elo entre outras teorias que não estão diretamente conectadas entre si, os resultados demonstram as
características distintivas do contexto brasileiro. Neste, redes sociais é a teoria que possui o grau mais
elevado de centralidade de intermediação (7,257), demonstrando a maior capacidade aglutinadora entre as
diversas linhas teóricas. O mesmo não ocorre no contexto internacional, no qual a teoria de redes sociais
possui alta centralidade geodésica, mas baixa capacidade de articulação entre teorias não-conectadas,
demonstrando um dos menores graus de centralidade de intermediação (1,76).
No contexto brasileiro, alguns pontos de análise chamam a atenção. Por exemplo, a teoria
institucional é empregada tão freqüentemente quanto a teoria de custos de transação; porém a analise
dos resultados mostrou que suas conexões com outras teorias não têm a mesma força, ou seja,
observou-se que a teoria dos custos de transação demonstrou maior capacidade de intermediar ou
conectar outras teorias nas pesquisas sobre redes interorganizacionais.
Uma terceira categoria de análise nesta pesquisa procurou identificar se os graus de centralidade seriam
alterados, se fossem analisados simultaneamente as seguintes dimensões: teorias, antecedentes e resultados
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
471
obtidos pelas redes. A Tabela 3 apresenta os resultados dessa análise, apresentando os graus de centralidade
geodésica e de intermediação dessas dimensões. Conforme as evidências, pode-se afirmar que, no contexto
brasileiro, a predominância das cinco teorias mais centrais permaneceu inalterada. Tais resultados estão
alinhados com o estudo de Oliver e Ebers (1998), no qual as quatro principais teorias, analisadas
individualmente, não se alteram em face da análise integrada com antecedentes e resultados.
A Tabela 3 permite a análise da centralidade geodésica dos antecedentes e dos resultados das redes.
Em termos de antecedentes, identificou-se a maior centralidade da congruência de objetivos, ou seja,
confirmam-se os postulados de que os objetivos comuns são os motivadores centrais da formação de
redes de cooperação (Castells, 1999; Brass et al., 2004). Quanto aos resultados obtidos pelas redes, a
tríade composta por sucesso, aprendizagem e inovação se destaca amplamente na análise do grau de
centralidade, demonstrando que, além de indicarem maior freqüência, também são os mais centrais
entre o conjunto dos ganhos proporcionados pelas redes.
Tabela 3
Centralidade Geodésica e de Intermediação para Teorias, Antecedentes e Resultados
TEORIAS Centralidade
Geodésica
Centralidade de
Intermediação RESULTADOS Centralidade
Geodésica
Centralidade de
Intermediação
Estratégia 0,317 24,293 Aprendizagem 0,332 19,771
Dep. de recursos 0,234 12,065 Sucesso 0,323 27,038
Custo transação 0,201 12,834 Inovação 0,264 17,648
Redes sociais 0,199 15,304 Confiança 0,197 9,670
Institucional 0,191 15,582 Custo/preço 0,159 7,863
Org. Industrial 0,118 15,713 Estabilidade 0,115 8,301
Contingência 0,076 4,067 Poder/ controle 0,070 5,972
Ecologia populacional 0,064 8,421 Comprometimento 0,066 4,972
Evolucionária 0,053 7,578 Difusão 0,063 4,393
Trocas 0,050 1,631 Conflito 0,063 5,235
Tomada de decisão 0,049 8,443 Similaridade 0,058 5,790
Agência 0,044 2,175 Tamanho 0,051 9,741
Poder político 0,033 1,931 Receita 0,046 2,931
Estruturalismo 0,033 3,498 Legitimidade 0,045 3,284
Barganha 0,033 0,819 Partic. política 0,043 3,486
Mkt. Industrial 0,012 0,558 Centralidade 0,041 7,120
Leis trabalhistas 0,008 0,000 Oportunismo 0,040 3,025
ANTECEDENTES Persistência 0,027 1,010
Congruência de objetivos 0,282 19,207 Prevalência 0,019 0,138
Rec. Imateriais 0,281 8,796 Produzir ou comprar 0,015 0,489
Rec. materiais 0,224 15,071 Ascensão 0,013 0,749
Confiança 0,145 9,763 Densidade 0,010 0,073
Posição na rede 0,127 11,460 Extinção 0,009 0,173
Dependência 0,120 15,877
Contração de mercado 0,114 11,523
Recursos 0,109 9,331 Média 0,102 7,736
Oportunismo 0,074 11,460 Desvio padrão 0,092 6,503
Conflito 0,066 7,506 Índice de centralidade 38.40% 26,35%
Estabilidade 0,040 1,474
Densidade 0,028 3,113
Especificidade de ativos 0,027 2,304
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
472
Uma quarta categoria de análise procurou verificar as alterações na centralidade de intermediação,
ao analisar simultaneamente as teorias, os antecedentes e os resultados. A Tabela 3 apresenta os graus
da centralidade de intermediação desses três níveis conjuntamente. As evidências indicam ocorrerem
alterações de posições em relação à frequência e à centralidade de intermediação, mesmo que a
variável estratégia se mantenha como teoria central.
Nesse ponto, novamente há consonância com os resultados obtidos pela pesquisa de Oliver e Ebers
(1998), visto que, no contexto internacional, as teorias ecologia populacional e custos de transação,
geodesicamente pouco centrais, assumiram os dois principais postos, em termos de centralidade de
intermediação. No contexto brasileiro, os resultados demonstraram que as teorias de organização
industrial e institucional, quando analisadas em conjunto com antecedentes e resultados, assumem
papel central na intermediação entre teorias não-conectadas. Uma explicação para o elevado grau de
centralidade de intermediação dessas teorias é a existência de uma série de estudos sobre redes e
relações de cooperação em distritos industriais e arranjos produtivos locais.
Os dados apresentados na Tabela 3 também possibilitam analisar a centralidade de intermediação
dos antecedentes e dos resultados das redes. Nesse aspecto, pode-se observar que nos estudos
brasileiros a variável de resultado sucesso possui o maior grau de centralidade de intermediação
(27,038). Essa evidência está demonstrando que o sucesso, representado pela capacidade de a rede
alcançar seus objetivos, não foi somente estudado de forma individual, mas também esteve presente,
com forte poder de intermediação, em boa parte das pesquisas que estudaram os demais resultados das
redes interorganizacionais. Já no que se refere às pesquisas dos antecedentes, que levaram a formação
de redes, os dados da Tabela 3 indicam que a congruência de objetivos, ou seja, a existência de
objetivos comuns entre os diversos atores foi a variável com maior centralidade de intermediação
(19,207). Dessa forma, pode-se inferir que a congruência de objetivos, além de aparecer nas pesquisas
com elevada frequência, também demonstrou elevado nível de conexão com os demais antecedentes
da formação de redes.
Os resultados alcançados na análise dos artigos podem estar associados às diversas configurações
que os grupos de pesquisa sobre redes interorganizacionais estabelecem no Brasil. Assim, será
apresentado, a seguir, uma síntese da configuração relacional das instituições em que a produção
científica brasileira sobre o tema vem sendo desenvolvida.
Configuração Institucional das Publicações sobre Redes de Cooperação no Brasil
No contexto da presente pesquisa, procurou-se inicialmente analisar a distribuição geográfica das
publicações sobre redes de cooperação interorganizacional no contexto brasileiro, com vistas a
identificar as instituições de origem dos autores no momento da publicação de seus artigos. Os
resultados indicaram que um total de 274 autores, de 59 instituições, pertencentes a 13 Estados
brasileiros, além de instituições de Portugal, França, Espanha e Estados Unidos, foram responsáveis
pelas 116 publicações analisadas. Os resultados sinalizam um razoável nível de distribuição das
pesquisas sobre o tema, ou seja, não se trata de fenômeno de interesse isolado no âmbito dos estudos
organizacionais. Os resultados indicam que as instituições UFRGS, UNISINOS, UFBA, UFSM, UFRJ
e USP tiveram destaque nos aspectos quantitativos das publicações (Tabela 4).
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
473
Tabela 4
Instituições, Frequências, Centralidades de Grau e Geodésica das Publicações
Instituições Frequência Centr.
de grau
Centr.
geodésica Instituições Frequência Centr.
de grau
Centr.
geodésica
UFRGS 41 12,069 67,004 UNICENP/PR 2 1,724 0,000
UNISINOS 28 8,621 55,296 UNIFACS/BA 2 1,724 0,000
UFBA 11 3,448 0,000 UNIFOR/CE 2 0,000 0,000
UFSM/RS 11 3,448 35,956 UPF/RS 2 1,724 19,699
UFRJ 10 10,345 48,118 UPMF/FR 2 1,724 19,699
USP/SP 10 0,000 0,000 ENESP/SP 2 1,724 0,000
FGV/RJ 9 5,172 0,000 UFC/CE 2 1,724 0,000
PUC/RJ 9 1,724 0,000 PUC/PR 2 0,000 0,000
UFMG 8 5,172 24,595 PUC/RS 2 1,724 19,699
POITIER/FR 8 3,448 35,956 UFPB 2 1,724 0,000
UFPR 7 1,724 0,000 FBV/PE 2 1,724 0,000
UNICAMP/SP 7 5,172 41,600 UFRN 2 1,724 0,000
FDC/MG 7 6,897 28,309 USP – RP/SP 2 0,000 0,000
UFLA/MG 7 5,172 22,131 UEM/PR 1 0,000 0,000
UNB/DF 5 3,448 23,734 FIC/CE 1 0,000 0,000
ESPM/SP 5 3,448 11,789 UEM-UEL/SP 1 0,000 0,000
PUC/SP 5 3,448 11,789 IBMEC/SP 1 0,000 0,000
UFSC 4 5,172 25,433 IESAM/AM 1 1,724 0,000
UFSCar/SP 4 3,448 0,000 FUMEC/MG 1 0,000 0,000
UNIVALE/SC 4 1,724 0,000 UFRN 1 0,000 0,000
JAUME I/ES 4 1,724 0,000 UFU/MG 1 0,000 0,000
PUC/MG 4 1,724 6,507 UFV/MG 1 0,000 0,000
UFPE 4 1,724 7,231 UM/POR 1 0,000 0,000
FGV-SP 4 1,724 0,000 UNESA/RJ 1 0,000 0,000
FACC/RJ 3 3,448 26,377 UNIMEP/SP 1 0,000 0,000
UFCG/PB 3 1,724 7,477 UNINOVE/SP 1 0,000 0,000
SEBRAE/MG 3 3,448 20,653 MACKENZIE/SP 1 0,000 0,000
UECE/CE 3 1,724 0,000 MICHIGAN/ EUA 1 0,000 0,000
UNESPTUPÃ/
SP 2 1,724 0,000 NOTRE
DAME/EUA 1 0,000 0,000
UNICAP/PE 2 1,724 0,000 – – – –
Uma das explicações pela expressiva liderança da UFRGS pode residir no fato de que, no ano 2000,
ter sido constituído, no Programa de Pós-Graduação em Administração, um grupo de mestrandos,
doutorandos e professores com interesse no estudo das redes de cooperação empresariais. O grupo,
informalmente constituído, implementou uma série de pesquisas, sob diferentes abordagens teóricas,
buscando melhor compreensão do fenômeno organizacional das redes na economia gaúcha. Além de
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
474
artigos em eventos e periódicos, o grupo organizou uma coletânea de casos, publicada no livro ‘Redes
de Cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul’, editado
pela Fundação de Economia e Estatística do Estado do Rio Grande do Sul [FEE], em 2004.
Na análise institucional, objetivou-se identificar o nível relacional entre os autores das instituições,
identificando, assim, possíveis laços relacionais que unem duas ou mais instituições nas publicações,
bem como o nível de centralidade dessas instituições nos estudos sobre redes de cooperação. Para isso
gerou-se uma matriz dos 116 artigos com as 59 instituições. Para tal análise, foram consideradas
somente 39 instituições, por apresentarem artigos publicados em conjunto com uma ou mais
instituições. Nesse aspecto, salienta-se que algumas instituições, como a USP, por exemplo, mesmo
tendo apresentado elevado volume de publicações, não aparecem no mapa relacional (Figura 1) devido
ao fato de não constar nenhum autor pertencente a outras instituições nos artigos publicados.
F
Figura 1. Mapa Relacional das Instituições
Observa-se que três instituições apresentaram grau de centralidade elevado, entre elas a UFRGS
(12,069), a UFRJ (10,345) e a UNISINOS (8,621). Isso indica que as publicações dessas instituições
são, em sua maioria, realizadas em conjunto com autores de outras instituições. Cabe salientar que,
pela diversidade de relações estabelecidas, a UFRJ, por exemplo, com seus 10 artigos publicados,
apresente maior grau de centralidade em comparação com a UNISINOS, que publicou um total de 28
artigos. Tal resultado pode ser devido ao fato de estar alocado na UFRJ o grupo de estudos
REDESIST, um núcleo de pesquisas sobre relações de cooperação em arranjos produtivos, que reúne
pesquisadores de diversas instituições.
Outro resultado relevante é o volume de publicações associadas a três universidades gaúchas
(UFRGS, UNISINOS e UFSM). Uma inferência para esse resultado é o fato de elas estarem
engajadas, desde o ano 2000, no desenvolvimento do Programa Redes de Cooperação, fruto de uma
política pública do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, que atualmente conta com mais de 200
redes de cooperação formadas. A parceria dessas instituições no desenvolvimento do Programa,
associada à existência de volume e variedade de casos empíricos, proporcionou um campo de pesquisa
distinto, que chamou a atenção dos pesquisadores, mestrandos e doutorandos para a realização de uma
série de estudos com o foco no fenômeno das redes de cooperação entre organizações.
UFPE PUC/SP
ESPM/SP
FDC/MG
UFM
UFPB
UFC/C FGV/SP
UECE/CE
SEBRAE/MG PUC/MG
UFRJ UFLA/M FACC/RJ
UNICAMP/SP
UNIVALI/SC
UFPR
PUC/RJ UNICENP/PR
UNESP
UFSCar/SP
FGV/RJ
UFRN/RN
UFBA/BA
UNIFACS/BA
UNESP-TUPÃ/SP
UFRGS
PUC/RS
UPF/RS UPMF/FR
UFSM/RS
UNISINOS/RS
POITIERS/FR
UFSC/SC
UNB/DF
FBV/PE
UFCG/PB
UNICAP/PE JAUME I/ES
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
475
CONSIDERAÇÕES FINAIS
De acordo com os resultados dessa análise bibliométrica, foi possível identificar que, entre o ano
2000 até 2006, mais de uma centena de trabalhos sobre redes de cooperação interorganizacional foi
publicada no Brasil. A pesquisa levou em consideração somente os anais do ENANPAD e outras seis
das principais revistas científicas na área de administração. Se fossem considerados outros eventos e
revistas científicas em áreas como a Sociologia e Economia, esse número seria ainda maior. Os
resultados sinalizam a preocupação da comunidade acadêmica brasileira para o desenvolvimento de
estudos e pesquisas sobre a temática das redes de cooperação, fortalecendo e difundindo novos
conceitos para o aprofundamento das teorias de gestão e, sobretudo, para melhor formação dos
administradores e aprimoramento das práticas de gestão organizacional.
Mais especificamente, em relação aos resultados da análise dos artigos, é possível chegar às
seguintes conclusões para os estudos sobre redes de cooperação interorganizacional no contexto
brasileiro: (1) as teorias de estratégia, dependência de recursos, redes sociais e institucional formam
uma base conceitual predominante na orientação dos estudos; (2) as pesquisas são conduzidas, em sua
grande maioria, por abordagens qualitativas e transversais; (3) as redes horizontais (simétricas),
formadas por múltiplas organizações de um mesmo elo da cadeia produtiva, são o principal interesse
das pesquisas; (4) os antecedentes que levaram a formação das redes de cooperação com maior
destaque nos estudos foram a necessidade de acesso a recursos materiais e imateriais, além da
congruência de objetivos; (5) a aprendizagem, o sucesso e a inovação foram os resultados ou ganhos
proporcionados pelas redes de cooperação com maior interesse nos estudos brasileiros; (6) as teorias
de estratégia, dependência de recursos, custos de transação, redes sociais e institucional foram as mais
centrais (centralidade geodésica) nos estudos; (7) a teoria de redes sociais demonstrou forte
capacidade aglutinadora entre as diversas perspectivas teóricas, apresentando o mais elevado grau de
centralidade de intermediação; (8) as instituições UFRGS, UNISINOS, UFBA, UFSM, UFRJ e USP
tiveram destaque nos aspectos quantitativos de publicações, em face de outras 59 instituições que
também publicaram sobre o tema; (9) as instituições UFRGS, UFRJ e UNISINOS apresentaram
elevada centralidade, indicando que as publicações dessas instituições são, em sua maioria, realizadas
em conjunto com autores de outras universidades.
Destaca-se que os resultados e as conclusões não devem ser tomados como absolutos, pois existiram
certas limitações no contexto da pesquisa. A primeira limitação refere-se ao viés das publicações
escolhidas para a seleção dos artigos, conforme já mencionado: se a seleção tivesse incluído outras
revistas e eventos científicos, os resultados poderiam ser alterados. A segunda envolve a dificuldade
dos pesquisadores no momento da avaliação e da classificação dos artigos, uma vez que, mesmo
utilizando elevado rigor metodológico, sabe-se que tal limitação está presente em pesquisas dessa
natureza.
Por fim, deve-se ressaltar que as pesquisas sobre redes de cooperação interorganizacional estão em
crescente importância na pauta dos estudos organizacionais brasileiros, o que pode decorrer de dois
fatores: o primeiro é a sintonia da comunidade acadêmica brasileira com as teorizações
contemporâneas sobre estudos organizacionais, entendendo-se que ela é altamente afetada pela
dinâmica de relações colaborativas e relacionais que a empresa venha a estabelecer; o segundo é a
expressiva dimensão econômica e social que a formação de redes de empresas vem apresentando no
Brasil, em especial para o fortalecimento e o desenvolvimento de pequenas e médias empresas. Tais
considerações devem servir de estímulo aos interessados no tema, em sua busca constante da
compreensão do fenômeno das redes de cooperação, e contribuir para a ampliação do escopo dos
estudos organizacionais no contexto brasileiro.
Artigo recebido em 01.05.2008. Aprovado em 03.07.2009.
Alsones Balestrin, Jorge Renato Verschoore, Edgar Reyes Junior
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-477, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
476
REFERÊNCIAS
Academy of Management Journal. (2004). 47(6).
Anderson, C. (2006). A cauda longa. Do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro:
Campus.
Astley, G. W. (1984). Toward an appreciation of collective strategy. Academy of Management Review,
9(3), 526-535.
Astley, G. W., & Fombrun, C. J. (1983). Collective strategy: social ecology of organizational
environments. Academy of Management Review, 8(4), 576-587.
Balestrin, A., & Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na
nova economia. Porto Alegre: Bookman.
Benkler, Y. (2006). The wealth of networks. How social production transforms markets and freedom.
New Haven: Yale University Press.
Benkler, Y. (2007). The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom.
New Haven: Yale University Press.
Bertero, C. O. (Ed.). (2006). Revista de Administração de Empresas, 46(3).
Bonacich, P. (1987). Power and centrality: a family of measures. The American Journal of Sociology,
92(1), 1170-1182.
Brass, D., Galaskiewicz, J., Greve, H., & Tsai, W. (2004). Taking stock of networks and
organizations: a multilevel perspective. Academy of Management Journal, 47(6), 795-817.
Burt, R. S. (1992). Structural holes. Cambridge: Harvard University Press.
Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.
Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and
collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160
Dyer, J., & Singh, H. (1998). The relational view: cooperative strategy and sources of
interorganizational competitive advantage. Academy of Management Review, 23(4), 660-679.
Eccles, R. G. (1981). The quasi firm in the construction industry. Journal of Economic Behavior and
Organizations, 2(4), 335-357.
Freeman, L. C. (1979). Centrality in social networks: conceptual clarification. Social Networks, 1(3),
215-239.
Friedman, T. L. (2005). O mundo é plano: uma breve história do século XXI. Rio de Janeiro: Objetiva.
Gladwell, M. (2002). O ponto de desequilíbrio. Como pequenas coisas podem fazer uma grande
diferença. Rio de Janeiro: Rocco.
Grandori, A., & Soda, G. (1995). Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms.
Organization Studies, 16(2), 183-214.
Granovetter, M. (1981). Toward a sociological theory of income differences. In I. Berg (Ed.). Sociological
Perspectives on Labor Markets (pp. 11-47). New York: Academic Press.
O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil
RAC, Curitiba, v. 14, n. 3, art. 4, pp. 458-457, Mai./Jun. 2010 http://www.anpad.org.br/rac
477
Granovetter, M. (2007). Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. RAE-eletrônica,
6(1). Recuperado em 4 novembro, 2009, de
http://www.fgvsp.br/institucional/biblioteca/pe/raeeletronica/SP000460366.pdf
Gulati, R., Nohria, N., & Zaheer, A. (2000). Strategic networks. Strategic Management Journal, 21(3),
203-215.
Jarillo, C. (1993). Strategic networks. Oxford: Butterworth-Heinemann.
Miles, R. E., & Snow, C. C. (1986). Organizations: new concepts for new forms. California
Management Review, 28(3), 62-73.
Nohria, N., & Eccles, R. G. (1992). Networks and organizations: structure, form, and action.
Cambridge: Harvard University Press.
Oliver, A. L., & Ebers, M. (1998). Networking network studies: an analysis of conceptual
configurations in the study of inter-organizational relationships. Organization Studies, 19(4),
549-583.
Organization Studies. (1998). 19(4).
Perucci, R., & Potter, H. R. (1989). Networks of power. Berlin: de Gruyter.
Pfeffer, J., & Salancik, G. R. (1978). The external control of organizations: a resource dependence
perspective. New York: Harper e Row.
Post, T. (Ed.) (2007, April 19). Forbes special report: networks. Recuperado em 5 dezembro, 2009, de
http://www.forbes.com/2007/04/18/breakthroughs-community-technologytechcz_
tp_07networks_0419networks_land.html
Prahalad, C. K., & Ramaswamy, V. (2004). O futuro da competição: como desenvolver diferenciais
inovadores em parcerias com clientes. Rio de Janeiro: Elsevier.
Rodrigues, S. B., & Carrieri, A. P. de (2001). A tradição anglo-saxônica nos estudos organizacionais
brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 5(Edição Especial), 81-102.
Surowiecki, J. (2006). A sabedoria das multidões. Rio de Janeiro: Record.
Tapscott, D., & Williams, A. D. (2007). Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o
seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Teece, D. J. (1980). Economies of scope and the scope of enterprise. Journal of Economic Behavior
and Organization, 1(3), 223-247.
Thompson, G. F. (2003). Between hierarchies and markets: the logics and limits of network forms of
organization. Oxford: Oxford University Press.
Todeva, E. (2006). Business networks. Strategy and structure. London: Routledge.
Turati, C. (1990). Economia ed organizzazione delle joint-ventures. Milan: EGEA.
Wasserman, S., & Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications. Cambridge:
Cambridge University Press.
Whitt, A. (1980). Can capitalists organize themselves? In G. W. Domhoff (Ed.), Power structure
research (pp. 97-113). Beverly Hills, CA: Sage.
Copyright of RAC – Revista de Administração Contemporânea is the property of Associacao Nacional de Pos-
Graduacao e Pesquisa em Administracao (ANPAD) and its content may not be copied or emailed to multiple
sites or posted to a listserv without the copyright holder’s express written permission. However, users may print,
download, or email articles for individual use.

Anúncios

Sobre Sindicato dos Administradores

Sindicato dos Administradores Rua São Bento, 1271 – Centro - Araraquara/SP (16) 3331 5868 sindicato@administrador.org.br

Publicado em 27/07/2009, em Artigos Científicos. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: